Michael Riffle/Divulgação
Michael Riffle/Divulgação

Descubra como o empreendedorismo salvou toda uma cidade

Andrew Yang relembra histórias que mudaram o cenário econômico de Seattle, em Washington

Estadão PME,

15 de junho de 2014 | 08h00

Hoje Seattle, nos Estados Unidos, é considerada uma das cidades mais desejadas para morar e trabalhar no país. Mas nem sempre foi assim, segundo Andrew Yang, fundador da organização de empreendedorismo Venture for America e autor do livro 'Smart People Should Build Things'. Em artigo publicado no site da Fast Company, Yang conta casos que mudaram o cenário empreendedor nessa cidade.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Yang conta que no final dos anos 1970 Seattle não era um local próspero para começar um negócio - a cidade apresentava desemprego e a economia era baseada na indústria madeireira. "A Economist havia rotulado Seattle como a 'cidade do desespero' e um outdoor apareceu dizendo algo como 'Quem sair por último desligue as luzes'. Mas em 1979, conta ele, dois nativos decidiram mudar sua pequena empresa de 13 funcionários para lá. Eles eram Bill Gates and Paul Allen, e a empresa era a Microsoft.

Mas será que apenas uma empresa pode mudar toda a trajetória econômica da cidade? Segundo Yang, mais de 40 mil pessoas trabalham na Microsoft na região, e cerca de 4 mil empresas foram iniciadas por 'ex-alunos' da Microsoft, muitos dos quais estão na região.

Apenas uma dessas empresas, a RealNetworks, emprega 1,5 mil pessoas, conta Yang em seu artigo. Uma outra empresa que nasceu da Microsoft emprega mais 14 mil e a Fundação Gates possui centenas de funcionários.

"O economista Enrico Moretti (professor da universidade Berkeley, na Califórnia) estima que o crescimento da Microsoft criou 120 mil postos de trabalho diretamente, para trabalhadores de serviços, como limpeza, motoristas de táxi, carpinteiros, cabeleireiros e agentes imobiliários entrou outros e outros 80 mil postos de trabalho para profissionais com formação universitária, como professores, enfermeiros, médicos e arquitetos", diz.

Yang acrescenta que o crescimento da Microsoft também influenciou Jeff Bezos para levar a Amazon para lá, em 1994, quando ele estava à procura de uma cidade com grandes talentos na área de tecnologia para construir uma empresa de e-commerce.

"Hoje, cerca de 17 mil dos 51 mil funcionários da empresa vivem e trabalham na região de Seattle. Se a Microsoft não tivesse estado lá, Bezos poderia facilmente ter migrado para outros lugar", afirma.

De acordo com Yang, as necessidades do dia a dia desses 17 mil profissionais da Amazon deram origem a mais de 85 mil postos de trabalho de serviços qualificados e não qualificados localmente. "É muito surpreendente ver como curso econômico de uma região pode ser alterado por uma decisão pessoal, de empresários que decidiram voltar para casa", finaliza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.