Cesar Greco/ Ag Palmeiras/ Divulgação
Cesar Greco/ Ag Palmeiras/ Divulgação

Depois de trazer a Taco Bell e virar sócio de Ronaldo, Wizard lança franquia do Palmeiras

Carlos Wizard espera abrir 30 unidades da Academia de Futebol do Palmeiras no próximo ano

Vitor Tavares, O Estado de S.Paulo

19 de outubro de 2016 | 14h27

O empresário Carlos Wizard Martins se autodenomina o "maior franqueador do Brasil" e explica: "eu vejo oportunidade nos negócios". O paranaense torcedor do Coritiba já criou uma rede de escolas de idioma com mais de 3 mil unidades - vendida em 2013 por R$ 1,9 bilhão -, fez parceria com Ronaldinho, trouxe a rede de fast food Taco Bell para o País em 2016 e agora quer transformar o Palmeiras em marca de franquia. Ele prevê inaugurar no primeiro semestre de 2017 as primeiras unidades da Academia de Futebol, um negócio que prevê a criação de escolinhas de  futebol com o nome do time alviverde.

Investindo R$ 3 milhões na ideia, que inclui o conceito da marca e divulgação, Wizard apostou no projeto do filho palmeirense, que quis unir o "útil ao agradável". "O Palmeiras já tem uma grande marca, torcida, tradição. Eles tinham a demanda, a gente, a expertise no mundo de franquias", disse Wizard. Desde o pontapé inicial do projeto, há um ano, 200 pessoas interessadas em abrir a franquia foram cadastradas pelo clube paulistano.

O primeiro passo do empresário no mundo do futebol foi uma parceira fechada com o jogador Ronaldo Fenômeno, em 2015, quando criou a Ronaldo Academy, também uma rede de escolas de futebol no sistema de franquias. Hoje, são 14 unidades em funcionamento e outras 8 em fase de implantação. Sem querer comparar os dois negócios, Wizard conta apenas que viu as cifras no esporte mais popular do Brasil. "Somos um país com baixo índice de prestação de serviço. E no futebol não temos uma estrutura muito sólida", justificou.

Donos de escolinhas do esporte que já existem pelo Brasil são considerados um dos alvos do novo negócio, numa possível mudança de marcas locais para associá-las ao Palmeiras. De acordo com Wizard, o investimento inicial para abrir uma franquia é entre R$ 200 e 300 mil, com capital de giro e instalação da estrutura de uma Academia de Futebol. O retorno previsto é de um ano.

O negócio faz parte do private equity Sforza, da família do empresário. Além da escolinha em si, as unidade terão centro de entretenimento e eventos, onde os torcedores terão lojas e transmissão de jogos do time. O grupo será responsável pela formatação do negócio, captação de franqueados, gestão e expansão da rede. 

A expectativa é fechar o primeiro ano com 30 unidades, nos estados do Paraná e de São Paulo, onde a torcida do "porco" está mais presente. Apostando alto na nova empreitada, Wizard não teme nem uma eventual má fase do time, que atualmente é líder do campeonato brasileiro. "O futebol é extremamente emocional. Estar segunda divisão pode ser uma realidade, mas isso não impede. Torcedor é torcedor na alegria e na tristeza", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.