Divulgação
Divulgação

Depois de arrecadar US$ 6,2 milhões, Neil Young pede mais dinheiro para seu tocador de música digital

Músico faz nova campanha de financiamento para o seu Pono

Estadão PME,

25 de agosto de 2014 | 12h37

 O músico Neil Young surpreendeu a internet no começo do ano, ao lançar uma campanha de financiamento colaborativo para iniciar a produção de um aparelho que tocasse música digital com a mesma qualidade do vinil. Com uma meta inicial de US$ 800 mil, o Pono foi capaz de arrecadar US$ 2,5 milhões em apenas dois dias de campanha, e terminou conseguindo US$ 6,2 milhões. Quatro meses depois, Young e sua cruzada para restabelecer a qualidade da música voltam a pedir dinheiro.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A nova meta do músico era arrecadar mais US$ 4 milhões para o financiamento do aparelho, que reproduz áudio com seis vezes mais informações que um mp3 normal. Mas as doações já superam os US$ 6 milhões nesta nova rodada, e com menos de um mês de campanha. Desta vez, entretanto, Young oferece ações da empresa aos finaciadores. Para isso, trocou inclusive a plataforma de financiamento kickstarter para outra que se adequasse mais à proposta, o croudfunder.

Além disso, Young deixou o cargo de CEO da empresa para um outro executivo, Rick Cohen, que presidia o conselho geral da Pono e é amigo de longa data do músico. 

Nem todo mundo está contente com as notícias recentes. "Isto não parece muito profissional", disse um antigo colaborador da campanha no kickstarter. Cohen, entretanto, afirmou que uma nova rodada de financiamento era necessária para atingir o objetivo da empresa, e que o próprio Young desistiu de procurar fundos de investimento para completar o resto. O medo era de perder controle sobre a criação.

Cohen disse ainda, em entrevista à mashable, que embora o cantor não tenha mais o cargo de CEO da empresa, ele ainda continua altamente ativo dentro do negócio em si. A mudança reflete apenas uma adequação aos compromissos de Young, que além de empresário precisa também arranjar tempo para tocar uma carreira de músico bem sucedido e com apresentações no mundo inteiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.