Divulgação
Divulgação

De volta para o futuro: empresa vende miniatura do capacitor de fluxo para viagem no tempo

Início da produção depende de campanha em site de financiamento coletivo

Estadão PME,

11 de novembro de 2014 | 16h00

Os fãs da trilogia 'De volta para o futuro' vão gostar dessa nova campanha no site de financiamento coletivo Kickstarter. Uma empresa de Oregon, nos Estados Unidos, criou uma miniatura do capacitor de fluxo, dispositivo "que torna a viagem no tempo possível" segundo o Doutor Brown. O objeto foi reproduzido em uma escala dez vezes menor que o item original e começará a ser entregue em 2015, ano de comemoração do 30º aniversário do primeiro filme.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O produto é resultado do trabalho da empresa Mad Geek Collectibles que conseguiu um acordo de licenciamento com a Universal Partnerships & Licensing para reproduzir o objeto. Por enquanto, o contrato de licença só permite a distribuição nos Estados Unidos, mas a empresa afirma que segue trabalhando para expandir o acordo.

Os primeiros 50 apoiadores garantiram o mini capacitor de fluxo por US$ 25. Atualmente, o produto é vendido por US$ 28. A venda no varejo vai depender do sucesso na campanha no Kickstarter. Até esta terça-feira, 11, o projeto estava perto de bater a meta inicial de US$ 35 mil: 650 pessoas já ajudaram com US$ 32 mil.

O capacitor de fluxo tem cerca de 30 peças e as luzes são ativadas por meio de um botão na parte de trás do objeto. Quem quiser pode utilizar o capacitor de fluxo como chaveiro. Para garantir a resistência do produto, os desenvolvedores utilizaram o Gorilla Glass, um tipo de vidro mais resistente.

De acordo com a campanha no site, a empresa está pronta para começar a produzir quando bater a meta no Kickstarter - a campanha segue até 6 de dezembro. A previsão de entrega é no segundo trimestre de 2015.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.