Daniel Texeira/AE
Daniel Texeira/AE

De que maneira conversar com os funcionários sobre futebol pode ajudar o seu empreendimento

Reta final dos campeonatos estaduais e da Libertadores podem aproximar patrões e empregados. Mas cuidado com o limite

ESTADÃO PME,

21 de março de 2012 | 15h09

 O Campeonato Paulista está chegando a sua reta final e deve esquentar com os clássicos regionais decisivos. A Copa Libertadores também, com o fim da primeira fase se aproximado. Sabe o que isso significa? Que as conversas sobre futebol entre seus funcionários deve aumentar. Nada mais natural.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google+ ::

Pesquisa realizada nos Estados Unidos mostra que o March Madness - a reta decisiva do campeonato universitário de basquete, disputado em março - provoca mais de 8 milhões de horas de perda de produtividade. Fala-se muito sobre o assunto. Trabalha-se menos.

O que o empresário talvez não saiba é que ele pode aproveitar - muito - essa conversa, que os norte-americanos chamam de 'small talk' para contruir ou melhorar a relação com os funcionários. Para isso, basta seguir algumas estratégias.

Quebre o gelo

Falar sobre o clássico disputado no fim de semana pode ser uma ótima maneira de quebrar o gelo com sua equipe de trabalho. Pergunte a ele sobre seu time de coração, as virtudes, os defeitos apresentados pela equipe.

Esse tipo de conversa vai aproximá-lo dos funcionários. E isso pode tornar uma conversa sobre produtividade mais fácil no futuro. Além disso, a proximidade para ser decisiva no momento do trabalhador expor uma dificuldade ou relatar a você um problema.

Mas cuidado. Lembre-se sempre que você é o dono do negócio e há uma hierarquia. É preciso mantê-la. Você não está em uma mesa de bar com os amigos. Cuidado para não ultrapassar os limites a ponto das pessoas negligenciarem o trabalho porque você é o dono da empresa gente boa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.