Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Crise hídrica e quedas de energia deixam empresários apreensivos

O proprietário da Quick Pizza convive com a falta de água há pelo menos dois meses

Gisele Tamamar, Estadão PME,

16 de janeiro de 2015 | 07h05

A vida de quem empreende no Brasil já não é fácil com tanta burocracia e altos impostos. E para piorar o cenário, o empreendedor ainda precisa lidar com a falta de água e de energia em diversos pontos da cidade de São Paulo, problemas que têm afetado o faturamento das empresas e deixado os empresários apreensivos.

::: Saiba tudo sobre :::

Mercado de franquias

O futuro das startups

Grandes empresários

Minha história

"Estamos assustados", disse o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-SP), Percival Maricato. Ele conta que desde março de 2014 a associação já procurava chamar a atenção para problema de falta d´água. "Sem água o restaurante não funciona. A água é fundamental para a limpeza, para cozinhar, para higiene. É trágico para o setor. Estamos preocupados", afirmou.

Em relação à falta de energia, o presidente da associação pontua que os empresários entendem que catástrofes acontecem, mas as reclamações se referem à demora para solução do problema."Tem que ter uma política de crise. A energia é fundamental", afirma.

O proprietário da Quick Pizza, Roberto Rodrigues Junior, convive com a falta de água há pelo menos dois meses, no bairro do Morumbi. Dia sim, dia não a região fica sem água a partir das 17h30. E na madrugada desta quinta-feira, 15, a pizzaria ficou sem energia das 2h às 11h. "É muito ruim não saber o que te espera no seu horário de trabalho. A perspectiva é só negativa e com muito medo", disse.

O empresário toma uma série de medidas para economizar água: utiliza pano em vez de lavar o salão, comprou uma máquina de pressão que utiliza menos água e colocou garrafas dentro das caixas do vaso sanitário para reduzir o consumo, por exemplo.

Outra alternativa foi comprar uma máquina de café de cápsulas, já que a outra máquina precisa da pressão da água da rede para funcionar. Com a falta de água, ele perdia a venda de café. O proprietário ainda reclama do serviço de internet. "Tenho aqui dois serviços de internet para trabalhar. Hora com uma, hora com outra", contou.

Indústria. A situação também não é animadora para as micro e pequenas indústrias. De acordo com o presidente do sindicato do setor, o Simpi, Joseph Couri, a crise hídrica afeta diretamente, com mais gravidade, as indústrias que utilizam a água como matéria-prima na produção, como empresas de cosméticos e do setor de alimentação.

Quando se fala em falta de energia, o problema é ainda mais grave. "Sem energia a indústria não produz absolutamente nada. A empresa para e cria perdas financeiras irreparáveis", afirma. Aliado a esse cenário, Couri também se preocupa com os reajustes constantes na tarifa de energia, o que pode levar a uma crise financeira grave para as empresas.

"É muito mais grave a falta de energia do que a falta de água. A falta de energia é mortal. A falta de água interrompe a produção de determinadas empresas. A falta de energia interrompe o suprimento de todas as empresas", destacou Couri.

Recomendações. Para o presidente do Conselho de Sustentabilidade da FecomercioSP e professor da USP, José Goldemberg, o problema da falta d´água que atingiu os pequenos negócios ainda não é tão grave. "O problema é se a situação se agravar", opinou. Há dois meses a FecomercioSP começou a distribuir uma cartilha com dicas para economizar água. É possível fazer o download do material em: http://www.fecomercio.com.br/PublicacoesCartilhas

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.