Paula Giolito
Diretor executivo da Sitawi Finanças do Bem, Gustavo Pimentel considera que princípios de ESG serão cada vez mais exigidos das pequenas e médias empresas. Paula Giolito

Consultorias ajudam pequena empresa a implementar princípios de ESG

Organizações orientam empreendedores a partir de avaliações e certificações; plataforma gratuita ajuda microempresas a se alinharem à Agenda 2030 da ONU

Ludimila Honorato, O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2021 | 05h00

O Mapa de Negócios de Impacto 2019, da Pipe.Social, mostra que 42% das empresas analisadas ainda não definiram indicadores de impacto. Para ajudá-las na missão de identificar, implementar e acompanhar boas práticas de ESG (sigla em inglês para princípios sociais, ambientais e de governança corporativa), organizações oferecem consultoria e plataformas gratuitas aos empreendedores.

A Sitawi Finanças do Bem atende instituições financeiras, investidores e empresas de diversos ramos de atuação e faz avaliação de ativos, projetos e organizações. "Trata-se de uma segunda opinião ou avaliação externa", explica o diretor executivo Gustavo Pimentel, reforçando que não se trata de uma certificação às empresas avaliadas. "O que nos permite fazer isso é nosso histórico, qualidade da equipe técnica, governança interna, que nos dá essa independência na provisão da avaliação, mostrando que não há conflito (de interesses)."

Especificamente na parte ambiental, a organização é verificadora aprovada pela Climate Bonds Standard & Certification Scheme para avaliar e certificar se uma operação de dívida gera benefícios climáticos. Na consultoria, há o desenvolvimento de estratégias adequadas à empresa, ponte com investidores e materialização do impacto socioambiental do negócio a partir da quantificação e monetização das ações.

Pimentel garante que uma empresa não pode receber consultoria e ser avaliada ao mesmo tempo e as equipes que realizam as atividades são diferentes. Pelo porte do serviço prestado, a Sitawi atende, tipicamente, médias e grandes companhias, mas o diretor executivo vê o potencial dos micro e pequenos negócios. "O ESG está chegando nas pequenas, tem recursos interessantes como o Instituto Ethos. O Sebrae tem centro de sustentabilidade, tem ferramentas e questionários de autodiagnóstico que podem ser usados."

Com foco em materializar os indicadores e impactos, a Seall lançou uma plataforma gratuita com ferramentas para ajudar micro e pequenas empresas a alinharem a gestão à Agenda 2030 da ONU. Uma primeira versão já está disponível no site da startup (clique aqui para ver) e novas funcionalidades estão previstas para o primeiro semestre de 2022. Mais de 20 protocolos nacionais e internacionais também são usados como parâmetro, além de indicadores e diretrizes do Global Reporting Initiative, tudo em linguagem facilitada.

"Dentro do sistema, a empresa vai conseguir entender com quais Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e metas ela mais contribui, entendendo o que é mais relevante para os stakeholders e para ela. O sistema também tem uma inteligência de recomendação de quais indicadores essa organização deve gerir", explica Gabriela Ferolla, diretora executiva da Seall e líder ESG do Grupo Houer, responsável pela plataforma.

As indicações também auxiliam as empresas a comunicarem melhor ao mercado as ações que realizam. "Por mais que muitas delas não acessem o mercado financeiro diretamente, a maior parte dos bancos, privados e de desenvolvimento regional, possuem produtos e serviços focados em sustentabilidade e liberam recursos a partir desses princípios", ela diz.

Outra ferramenta gratuita foi lançada no começo de dezembro pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), voltada para startups e scale-ups (empresas com alto crescimento sustentável). A Métrica de Governança Corporativa é uma autoavaliação das práticas internas das organizações para que elas reflitam sobre o próprio contexto e planejem uma jornada positiva em relação à governança. Veja aqui.

“A ferramenta não visa criar ranking, premiação, selo ou qualquer iniciativa que ateste qualidade, mas sim promover a agenda de governança corporativa neste público específico, em linha com a Agenda Positiva de Governança, contribuindo assim com o desenvolvimento da governança no Brasil”, informa o documento do projeto. Os pilares avaliados são: estratégia e sociedade, pessoas e recursos, tecnologia e propriedade intelectual, processos e accountability (responsabilidade por resultados).

Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

ESG também é pauta em pequena empresa com foco em impacto

Negócios pequenos que atendem grandes companhias ou buscam investimento devem se alinhar a princípios socioambientais e de governança; veja como implementar

Ludimila Honorato, O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2021 | 05h01

Muito se tem falado sobre boas práticas ambientais, sociais e de governança corporativa, agregadas na sigla em inglês ESG, mas as ações estão longe de ser algo novo e exclusivo das grandes companhias. Micro, pequenas e médias empresas também podem e devem se inserir nesse movimento se vislumbram crescimento, notoriedade e impacto positivo.

Juliana Bernardo, advogada e consultora em ESG, explica que grandes organizações listadas em Bolsa de Valores têm demanda mais forte por esses princípios, pois eles influenciam nos investimentos. Aos empreendimentos de menor porte, soluções simples como evitar o desperdício de materiais já contam favoravelmente.

Na Mostarda, agência de criação e desenvolvimento de eventos, o uso de copos descartáveis foi abolido há seis anos em projetos autorais. Essa e outras medidas passaram a ser propostas aos clientes, o que tem servido de referência para a empresa carioca ser procurada para novos trabalhos. "É possível as coisas caminharem lado a lado, não é a parte comercial em detrimento do social e da sustentabilidade", diz o sócio-fundador Caio Barreto.

Tendo empresas como Grupo Globo e Ipiranga no portfólio, ele entende que o ESG fará cada vez mais parte dos pequenos negócios que atendem grandes organizações, porque elas já estão preocupadas com o tema e querem fornecedores alinhados à pauta. "Há seis anos, não usar copo descartável era super diferenciado. Daqui a pouco, vai ser uma exigência do cliente e do consumidor."

Juliana aponta alguns benefícios de adotar práticas que se alinham com a agenda sustentável. "As pessoas não compram só o produto, mas a ideia. Com essas mudanças, a reputação da empresa começa a melhorar, agrega valor, além de ser uma divulgação."

Para os pequenos negócios que buscam captar investimento ou passam por aceleração, essas ações têm ainda mais relevância. "Uma gestora de ativos não coloca só dinheiro na empresa, ela faz análise de governança. Um investidor anjo que quer aportar, sabendo que existe mudança no mercado de capitais, vai olhar para esse aspecto do ESG", diz.

Impacto do ESG em avaliações de mercado

Rodrigo Cabernite, CEO da GYRA+, sabe bem disso. A fintech capta dinheiro no mercado de capitais por meio da emissão de títulos para, depois, oferecê-lo como crédito a pequenas e médias empresas. Das cinco mil beneficiadas, 94,8% têm até dez funcionários, 39,1% são lideradas por mulheres e 14,8% por pessoas negras, o que foi avaliado por uma organização independente como um trabalho de impacto social.

O parecer da Sitawi Finanças do Bem, contratada para fazer a averiguação, contribui para destacar a startup no mercado, que recebeu a avaliação em outubro do ano passado. "Com isso, a gente consegue acessar investidores que se preocupam também com ESG", diz Cabernite. "Do outro lado, trabalhamos com base em dados e conseguimos medir com muita precisão o que as empresas estão fazendo com o dinheiro, quanto vai para empresa com liderança negra, feminina, pessoas acima de 65 anos, empresas situadas em municípios com IDH baixo."

  • Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo

O empresário diz que também orienta as PMEs sobre boas práticas de ESG e acredita que, no mercado de capitais, a tendência é a pauta avançar. "Certeza que, daqui uns anos, só vai conseguir captar a empresa que declare o que vai fazer com o recurso e se vai ter impacto positivo. É uma transformação que demora um pouco, mas vai se tornar realidade."

Como fazer na pequena empresa

Caio Barreto diz que o principal desafio na hora de se alinhar à pauta é a gestão do tempo. "Existem muitas questões a serem resolvidas, burocráticas, mas quando se vira a chave de que o tempo que se está investindo é bom para o negócio, isso muda." 

Para Gabriela Ferolla, diretora executiva da Seall, startup que auxilia empresas na gestão de impacto socioambiental e econômico, a barreira está em materializar os indicadores. “O desafio é entender o que é relevante para a organização e os stakeholders, não só a visão de quais indicadores, mas quais selecionar a partir dos protocolos de mercado que a empresa quer ascender”, ela comenta.

Juliana Bernardo também fala da importância de ter parâmetros de ESG como guias. “Um deles são os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, com metas atreladas a cada um e o que dá para fazer. Tem o ISE, da B3, com aspectos que uma pequena empresa pode não se adequar, mas é um caminho", cita.

Caso o empreendedor perceba inviabilidade para adotar alguma ação ou que tenha práticas que não estão contempladas nos indicadores, vale estruturar as iniciativas e fazer uma divulgação específica, seja no site ou nas redes sociais do empreendimento. Caio Barreto faz isso na Mostarda e entende que não se trata de uma simples autopromoção, mas uma forma de inspirar outras pessoas e empresas.

A agência segue o Women’s Empowerment Principles e a Coalizão Empresarial para Equidade Racial e de Gênero do Instituto Ethos. Além disso, parcerias com ONGs ajudam a implementar outros pilares do ESG, como contratar pessoas com deficiência para atuar em projetos e calcular a pegada de carbono de um evento, que será compensada com o plantio de árvores. Internamente, Barreto diz prezar pela equidade salarial, ter equipe majoritariamente feminina e ser transparente com clientes e fornecedores, apresentando planilha de custo detalhada.

Confira ações para cada pilar do ESG

  • Ambiental: fazer reciclagem na cadeia produtiva, utilizar recursos sustentáveis como madeira de reflorestamento, não usar copos descartáveis, reduzir ou eliminar a impressão de papéis, fazer armazenamento em nuvem
  • Social: histórico limpo de processos judiciais referentes a funcionários, estar alinhado com a Lei Geral de Proteção de Dados, promover diversidade e inclusão no quadro de funcionários, ter projetos voltados à comunidade externa
  • Governança: boas práticas de gestão, transparência na apresentação do balanço anual, dizer a verdade sobre os rumos da empresa para funcionários, clientes e consumidores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.