Divulgação
Divulgação

Consertando sapatos no Centro do Rio de Janeiro, empreendedor fatura R$ 3,5 mil por mês

Almeida Oliveira agora quer se formalizar e até montar um site próprio

THAISE CONSTANCIO, ESPECIAL PARA O ESTADO,

20 de junho de 2013 | 17h50

 Nas ruas do Centro do Rio de Janeiro, o sapateiro Almeida Oliveira, 34 anos, conquista a clientela local consertando o saltinho dos sapatos que ficam presos nas pedras portuguesas e nos paralelepípedos. Apesar de ainda não ser formalizado, ele já sabe que passos deve seguir para ser microempreendedor individual e abrir a própria loja de consertos de calçados e bolsas.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

“Não sou apenas sapateiro. Ajudo a população quando ela está com problemas e assim conquisto meus clientes. Comecei como engraxate e vi que era um mercado pouco explorado, com espaço para crescer. Aprendi a exercer a profissão com pessoas que trabalhavam há mais tempo e pesquisei na internet métodos para aperfeiçoar meu trabalho. Agora vou me cadastrar para ter CNPJ e abrir meu próprio negócio no Centro”, conta.

Há sete anos, ele trabalha no mesmo ponto na Rua da Assembleia. Nesse período, distribuiu mais de sete mil cartões com seus contatos e serviços e tem planos para fazer um site. Com essa atitude, atrai uma clientela fiel e tão diversificada que, para atender a todos os pedidos, teve que contratar um ajudante e um aprendiz. 

Trabalhando de segunda a sexta, em horário comercial, ele fatura, em média, R$ 3,5 mil por mês. Descontados o salário e os benefícios do ajudante, os gastos com material, o aluguel do depósito para guardar os instrumentos de trabalho, sobram R$ 1,5 mil para os gastos pessoais (ele tem dois filhos com menos de 10 anos) e para economizar para abrir a loja de sapateiro.

Oliveira também faz parte da rede Só no Sapatinho, composta por outros nove sapateiros da região. Cada membro possui um equipamento diferente como máquina de costura, lixadeira e outros instrumentos de sapataria, e nos fins de semana se reúnem para fazer os trabalhos mais complexos. Os lucros são divididos em 10 partes iguais.

Como prosperar. Para quem vai começar o próprio negócio é fundamental separar as contas da empresa e a renda pessoal. O processo é simples: basta anotar tudo que entra e sai do caixa da empresa e verificar se o empreendimento gera lucro. Além disso, é preciso se diferenciar da concorrência e atrair novos clientes. “Não espere que o cliente vá até você. Observe a localidade, seja proativo e ofereça seu serviço”, aconselha o consultor do Sebrae-SP Reinaldo Messias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.