Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Conheça quem são os pequenos empresários que descobriram a África e conquistaram espaço

Empresários faturam até R$ 46 milhões com a expansão de mercados como Quênia, Angola e Sudão

Renato Jakitas, Estadão PME,

06 de agosto de 2013 | 06h42

A África, que durante anos permeou o imaginário das pessoas com conflitos sangrentos e fome extrema, começa a despertar outro tipo de sentimento: o da oportunidade. Com países inteiros a se construir e um mercado consumidor composto por 326 milhões de representantes da classe média, o continente tornou-se alvo das pequenas e médias empresas brasileiras.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

São negócios que aproveitam a presença das grandes corporações nacionais já estabelecidas na região, e de algumas coincidências culturais e geográficas, para conquistar espaços entre as lacunas deixadas pela concorrência europeia e a marcha chinesa, sobretudo nos segmentos do agronegócio, da construção e da infraestrutura.

Dados do Ministério do Desenvolvimento destacam que a corrente comercial entre o Brasil e África (a soma entre o total exportado e importado) avançou 330% entre 2003 a 2012. O montante saltou de US$ 6,1 bilhões para US$ 26,5 bilhões em nove anos. Resultado que coincide com uma política de aproximação adotada pelo governo brasileiro e que, segundo especialistas, abriu espaço para os produtos e, depois, para a presença física das empresas.

::: Leia também:::

Parceria com grandes empresas pode ajudar

“Essa nova política externa combinou com um momento de crescimento econômico dos países africanos”, destaca o professor Sherban Leonardo Cretoiu, que coordena um núcleo de negócios internacionais da Fundação Dom Cabral. 

“É justamente esse momento novo de recuperação econômica e estabilidade política africana que chama a atenção dos empresários para as oportunidades do setor. Entre os emergentes, depois da China e da África do Sul, que é uma potência local, a presença brasileira é a que mais cresce ao longo dos últimos anos”, explica.

Um dos exemplos desse movimento é protagonizado pela Brazilian Sudanese Agribusiness Company, criada há três anos pelo engenheiro Paulo Hegg e que faturou, em 2012, US$ 15 milhões (R$ 34,5 milhões aproximadamente) com o plantio de algodão no Sudão.

Especialista em comércio exterior, Hegg começou seu relacionamento com o país há dez anos. Na época, atuava como agente de fábricas brasileiras de móveis. “Identifiquei que a geografia do Sudão é favorável para o cultivo de algodão, que eles já tinham por lá, e da soja, que introduzimos. Faltavam as nossas técnicas para ampliar os resultados”, conta Hegg, que importou do Brasil sementes, agrônomos, maquinários e a gestão para iniciar uma operação de 500 hectares de algodão às margens do rio Nilo Azul. 

“Em 2010, conseguimos 10 vezes a produtividade que eles estavam acostumados”, lembra Paulo Hegg, que hoje mantém um contrato com o ministério da agricultura sudanês para plantar 80 mil hectares nos próximos cinco anos. 

Expansão. O Quênia é outro país que busca no agronegócio uma alternativa para segurar sua expansão econômica, que em 2012 registrou alta de 4,7% no Produto Interno Bruto (PIB). É lá que o gaúcho Marcos Brandalise fatura US$ 20 milhões por ano (cerca de R$ 46 milhões) com a BraZafric. O empreendimento representa na região fabricantes brasileiros de equipamentos agrícolas, para processamento de pós-colheita e fornecedores de acessórios para construção civil. 

“Cheguei ao Quênia em 1993 para tocar uma operação de assistência aérea para a Organização das Nações Unidas (ONU). Acabou que deixei o negócio em 1996 para me dedicar à empresa que criei após verificar o potencial para produtos brasileiros no leste africano”, conta ele, que hoje mantém subsidiárias da BraZafric em Uganda, Luanda, Tanzânia, Moçambique e Etiópia. 

“Quando cheguei, a imagem do Brasil para o africano não era diferente da que tinha o europeu sobre o País, basicamente futebol e carnaval. Nos últimos seis anos, isso tem mudado. Os negócios vão bem, principalmente devido às obras de infraestrutura e a agricultura”, explica Brandalise.

Gustavo Corrêa, que representa empresas brasileiras na África do Sul, alerta o empresário sobre a volatilidade do mercado da região. “Os países sofrem muito com as mudanças políticas e são sensíveis ao sobe e desce da economia internacional”, conta ele, que também tem uma escola de computação em Johannesburgo.

:::Mercados promissores:::

Agricultura

A expansão do agronegócio, sobretudo nos países do leste africano, é financiada pelos governos e representam uma oportunidade de negócios para os empreendedores brasileiros. A carência na área se dá tanto na gestão quanto nas técnicas de plantio e fornecimento de maquinários e sementes. 

Construção e mineração

Para sustentar a expansão, alguns países investem em infraestrutura. Mercados como o angolano e o moçambicano já contam com longo histórico de relacionamento com grandes construtoras brasileiras, como a Camargo Correa e a Odebrecht. Empresas que atuam na cadeia de valor dessas companhias têm tudo para se sobressair. O mesmo se aplica às pequenas e médias que atendem mineradoras como a Vale.

Franquia

O crescimento da classe média africana abre oportunidades para quem tem interesse em lucrar com o consumo na região. Algumas redes nacionais de franquia, como o Bob’s e a Carmen Steffens, de calçados, já atuam com unidades no continente.

Tudo o que sabemos sobre:
ÁfricabrasileirosempresáriosPME

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.