Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Conheça o pequeno negócio com benefícios de gente grande para a equipe de funcionários

O tamanho da empresa realmente não importa mais, agora vale o que você oferece para atrair talentos

RODRIGO REZENDE, ESPECIAL PARA O ESTADO,

20 de maio de 2013 | 07h10

 O salário nem sempre é o que leva um profissional a trabalhar em uma empresa. Normalmente, se a pessoa tem a possibilidade de escolher, ela leva em conta outros aspectos – como vimos, um bom ambiente de trabalho e a possibilidade de ascensão na carreira são atrativos para os bons trabalhadores à disposição no mercado.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Por isso, atualmente, mesmo o pequeno empreendedor pode adotar uma estratégia agressiva de benefícios para lutar de igual para igual com as grandes corporações brasileiras pelos melhores funcionários.

Umberto Rosti, CEO da SafeWay – empresa paulistana que nasceu há cinco anos e tem previsão de faturar R$ 7 milhões em 2013 –, afirma que os seus funcionários têm benefícios compatíveis aos de muitas multinacionais – salários extras, remuneração por meritocracia, além de planos de saúde e de previdência privada.

A empresa atua em um nicho bem específico, um mercado pequeno no Brasil segundo o executivo, que é o de segurança em tecnologia da informação. “Atraímos profissionais do mercado de TI interessados em atuar como especialistas nesse ramo, 90% dos nossos funcionários vieram do segmento de TI”, conta Rosti. O negócio começou com três funcionários, atualmente conta com 30 pessoas e espera fechar o ano com 40 colaboradores.

O que pode ser bem atrativo do ponto de vista do funcionário, de acordo com Rosti, é oferecer a ele não apenas um plano de carreira, mas a visão daquilo que a pessoa pode ter caso aposte no empreendimento. “Todos os profissionais têm chance de serem sócios da empresa”, afirma o executivo. “Durante o ano fazemos avaliações individuais e coletivas e no final do período, por meio do nosso comitê de RH, identificamos quem é elegível para promoções ou mesmo sociedade.”

Começo.O executivo ressalta que a SafeWay oferece oportunidades a todos e ilustra com o caso dos trainees. “Quatro deles começaram ano passado e já foram efetivados”, diz Rosti. Outro destaque é a educação profissional. “Continuamente estamos atentos para propiciar desenvolvimento aos profissionais. No ano passado, quatro deles foram a eventos renomados da nossa área realizados nos Estados Unidos, aproveitando a viagem para se atualizarem e curtirem as férias”, acrescenta.

Na agência de publicidade Lattitud, do grupo Havas, o treinamento também é destaque. Apesar de a empresa ser menor do que outras do grupo, e seu quadro de pessoas ser composto por profissionais experientes, a agência oferece possibilidade de atualização profissional frequentemente. 

Por lá, o salário também não é o aspecto que mantém funcionários. Pelo menos essa é a opinião do diretor de atendimento da agência, Eduardo Weinhardt. “Salário é importante, mas no mercado publicitário, cada vez mais exigente, os profissionais têm buscado qualidade de vida”, afirma. 

Por isso, pesa para viabilizar a atração de talentos, a oferta de uma carga horária de trabalho que conviva em harmonia com o tempo dedicado para o lazer, a família e os amigos.

A agência possui 40 funcionários. Para manter esse grupo engajado, o empreendimento adota também uma série de pequenas iniciativas que contribuem muito para melhorar a rotina do time. Há por exemplo serviços de massagem rápida e de manicure, oferecidos em datas combinadas no próprio local de trabalho das pessoas. 

Encontros. A Lattitud também custeia parte dos cursos de idiomas feitos por seus colaboradores, combina jornadas mais flexíveis e realiza constantemente encontros fora do escritório com a equipe. O agência ainda organiza cafés da manhã para integração entre as pessoas que trabalham juntas e, como se não bastasse, também distribui ingressos de cinema. Tudo para manter todos como verdadeiros fãs de seus cargos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.