Getty Images
Getty Images

Confira agora três reflexões que vão mudar sua vida no ano novo

Especialista no tema escreveu livro sobre o assunto, confira suas dicas

Estadão PME,

17 de dezembro de 2014 | 10h52

O consultor Tony Robbins aponta um fenômeno que vê todos os dias: pessoas ricas com raiva ou tristes. Com uma experiência de quatro décadas em treinamento aplicado para presidentes dos Estados Unidos e também para donos de pequenas empresas, Robbins chegou a três decisões que ditam a qualidade de vida. A análise foi feita para o site da revista Entrepreneur.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Segundo Robbins, se a pessoa tomar essas decisões inconscientemente, ela tende a ficar fora de forma e ainda exausta emocionalmente e financeiramente. Mas se as decisões foram tomadas de maneira consciente, existe a possibilidade de mudar o curso da vida.

O que focar

A primeira decisão é escolher cuidadosamente o que focar. Isso porque a cada momento milhões de coisas competem pela sua atenção. Por isso é preciso escolher. Qual área você tende a concentrar-se mais? O que você tem ou o que está faltando na sua vida? Robbins afirma que em vez se de concentrar no que você não tem e invejar as pessoas que estão em melhor situação financeira, você pode desenvolver o hábito de apreciar o que já tem e criar um "novo nível de bem-estar e riqueza emocional".

Outro ponto é se concentrar mais no que pode controlar ou no que não pode? Robbins afirma que se você se concentrar no que não pode controlar o estresse será maior. Segundo o especialista, você pode influenciar muitos aspectos da sua vida, mas geralmente não pode controlá-los. E quando você adota esse padrão de foco, o seu cérebro tem que fazer uma outra decisão:

Descobrir. o que tudo isso significa?

Segundo Robbins, a qualidade de vida é controlada pelo significado que você dá as coisas. "Quando acontece alguma coisa que perturba a sua vida (um acidente de carro, uma questão de saúde, uma perda de emprego), você tende a pensar que este é o fim ou o começo?", questiona.

De acordo com Robbins, quando as pessoas mudam seu foco habitual e seus significados, não há limite para o que a vida pode se tornar. Depois de criar um significado em sua mente, ele cria uma emoção, que leva a um estado para fazer a terceira decisão:

O que você vai fazer?

O especialista afirma que as ações que você toma são fortemente moldadas pelo estado emocional em que está. Por isso, é preciso ficar ciente dos comportamentos quando você está frustrado, irritado, triste ou se sentir solitário. Você não pode mudar seus padrões se você não está ciente delas. 

Tudo o que sabemos sobre:
estadão pmedicas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.