Getty Images
Getty Images

Confiança do micro e pequeno empresário do varejo sobe 18% em 12 meses

Apesar da melhora, índice segue abaixo do nível de neutralidade, portanto pessimismo persiste

Estadão PME, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2016 | 16h13

Apesar de todos os indicadores econômicos apontarem para a retração, a confiança do micro e pequeno empresário brasileiro em relação à melhora do ambiente de negócios cresceu 18% no último ano. O otimismo foi detectado pelo Indicador de Confiança dos micro e pequenos empresários dos segmentos do varejo e de serviços, calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

No acumulado do ano, entre junho de 2015 até o mesmo mês deste ano, o indicador passou de 36,38 pontos para 42,93 pontos. Na comparação mensal com maio, quando o indicador estava em 42,19 pontos, houve um leve aumento de 1,77%.

A alta na confiança não altera, porém, o fato de que ainda há um quadro geral de pissimosmo nas empresas de pequeno porte, já que o índice segue abaixo dos 50 pontos, nível de neutralidade do levantamento. A escala do indicador varia de zero a 100, sendo que quanto mais próximo de 100, mais confiante está o empresário consultado. 

O presidente da CNDL, Honório Pinheiro, avalia o Índice como um alento para o ambiente de negócios no País. “Se há otimismo, os empresários estão mais dispostos a assumir riscos para ampliar seus negócios e contratar mais funcionários”, afirma.

Pesquisa. O Indicador de Confiança do Micro e Pequeno Empresário (ICMPE) é feito a partir da consulta com 800 empreendimentos do setor comércio varejista e serviços, com até 49 funcionários, nas 27 unidades da federação, incluindo capitais e interior.

Tudo o que sabemos sobre:
Serviço de Proteção ao Crédito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.