Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Concurso premia melhores produtores de cacau especial do Brasil

Com total de R$ 38 mil em prêmios, a quarta edição do Concurso Nacional de Qualidade e Sustentabilidade do Cacau Especial do Brasil servirá de seleção para a premiação internacional

Ludimila Honorato, O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2022 | 12h30

O Concurso Nacional de Qualidade e Sustentabilidade do Cacau Especial do Brasil é um daqueles prêmios que conferem prestígio a pequenos e médios agricultores, além de servir de vitrine para atrair o consumidor. Já com inscrições abertas, a quarta edição vai selecionar as melhores amêndoas de cacau produzidas no País com a concessão total de R$ 38 mil em prêmios para o primeiro, segundo e terceiro colocados de duas categorias: varietal (uma única variedade genética de cacau) e blend (mistura de variedades).

De forma inédita, a edição deste ano funcionará como uma seleção para a premiação internacional. As oito amostras que receberem as maiores notas na avaliação sensorial serão automaticamente classificadas para o Cocoa of Excellence, realizado em Paris. No ano passado, o cacau produzido por três brasileiros foram condecorados no evento francês: o veterano João Tavares, da Bahia, que levou o terceiro ouro, a mãe dele, Angélica Maria Tavares, e João Evangelista, produtor do Pará, ambos com a prata.

Aliás, Bahia e Pará são os maiores produtores do fruto no País e, ano a ano, disputam maior participação no mercado de cacau fino, de alta qualidade. Diferente do cacau commodity, vendido em grande quantidade e menor qualidade a preço baixo para indústrias de grande porte, o cacau especial tem maior valor agregado também pelo processo artesanal. Os produtores podem se inscrever no prêmio até o dia 5 de agosto por meio deste site.

Com a crescente demanda pelo fruto de qualidade superior, os produtores tem buscado técnicas e tecnologias em prol do beneficiamento das amêndoas. Há melhorias nos processos que vão desde a colheita, passando pela fermentação e torra até a produção de chocolate e outros derivados. Com controle de toda a cadeia, de ponta a ponta, esses produtos contemplam o segmento tree to bar (da árvore à barra), que ainda zela pelos impactos ambientais e sociais.

É o resultado de todo esse cuidado que será reconhecido no concurso nacional, cujos vencedores serão anunciados durante uma cerimônia no dia 25 de novembro em Belém, no Pará.  O processo de seleção é coordenado por um comitê nacional liderado pela Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac).

Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.