Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Concentração bancária e alta taxa de juro limitaram acesso ao crédito das MPMEs

Comentário do presidente do BNDES foi feito durante o lançamento do Canal do Desenvolvedor MPME; proposta é dar transparência aos clientes do sistema financeiro

Cynthia Decloedt, O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2017 | 13h33

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, afirmou que a elevada taxa de juros do País, ao longo dos últimos anos, somado à concentração bancária tem limitado o acesso do pequeno empreendedor ao crédito.

O comentário foi feito durante o lançamento do Canal do Desenvolvedor MPME, plataforma do BNDES na Internet para relacionamento com micro, pequenos e médios empresários. A proposta é dar transparência aos clientes do sistema financeiro e vice-versa. No futuro, o banco entende que poderá dar acesso direto por canais digitais a grupos de clientes.

"Passamos por décadas de anomalia, em que um certo grau de 'oligopolização' bancária, levou a perda da familiaridade, principalmente com o micro empreendedor", disse. Ele acrescentou que a essa "grandiosidade do sistema financeiro, se somou à anomalia de um processo de formação esdrúxula de taxas de juro, fazendo com que o Brasil mantivesse taxas de juro anormalmente elevadas por décadas".

Pela plataforma digital, o empresário interessado conhece as opções de financiamento junto aos bancos repassadores e qual a participação do BNDES no crédito para a linha desejada. O empresário pode encaminhar propostas para vários agentes financeiros e ter acesso às informações sobre quais linhas os bancos são repassadores. A política operacional do BNDES não muda, ou seja, o spread das operações são definidos pelos bancos repassadores, assim como as exigências de risco.

As MPMEs (micro, pequenas e médias empresas) alvo da plataforma são aquelas com faturamento anual até R$ 300 milhões. O endereço do canal é www.bndes.gov.br/canal-mpme. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.