Richard Perry/The New York Times
Richard Perry/The New York Times

Quanto seria perdido se a Uber simplesmente fosse embora?

Serviço saiu de Austin, no Texas, e tem enfrentado problemas legais em países como França, Espanha, Alemanha e em partes da Índia

Tyler Cowen, Bloomberg

12 de setembro de 2016 | 06h00

Quanto seria perdido se a Uber simplesmente fosse embora? Isso realmente aconteceu em Austin, no Texas, e o serviço tem enfrentado problemas legais em países como França, Espanha, Alemanha e em partes da Índia. Mas, quanto realmente está em jogo? Um novo artigo por Peter Cohen, Robert Hahn, Jonathan Hall, Steven Levitt (do famoso "Freakonomics") e Robert Metcalfe surge como uma boa medida de quantos dólares e centavos o UberX, principal serviço da Uber, está melhorando as vidas de seus usuários .

Com base no estudo, temos algumas formas de avaliar o valor dos serviços da Uber para os americanos:

- Por um dólar gasto com o UberX, eles recebem US$ 1,60 no valor de ganho. 

Essa é uma quantidade anormalmente elevada de "excedente do consumidor", como é chamado pelos economistas. Isso significa que não há muitos substitutos próximos da Uber a preços prevalescentes, já que transportar pessoas não é algo que os Estados Unidos façam necessariamente bem.

- A UberX produz um valor social diário de cerca de US$ 18 milhões.

É o equivalente a um renomado pintor impressionista francês produzir um belo trabalho por dia e doá-lo de forma gratuita. 

- A UberX produz um valor social de US$ 6,8 bilhões por ano.

Se o montante for distribuído para cada americano, seria algo em torno de US$ 20 em benefícios ao ano. É muito ou pouco? Não é muito se comparado a um produto interno bruto de US$ 18 trilhões, mas provavelmente muito em comparação com outras novas empresas. De qualquer forma, há uma questão mais geral: se você considerar esses números como pequenos, então não precisa se preocupar com os motoristas de táxi que perdem para a Uber.

Em geral, quanto mais os consumidores ganham com preços mais baixos de um novo serviço, mais os fornecedores concorrentes perdem - a mesma compensação se mantém com comércio exterior ou imigração. Então, se você está preocupado com os aqueles que perdem com a Uber, você também deve acreditar que os ganhos para os usuários são altos. Alternativamente, se você delirar com as glórias do Uber, consistência exige reconhecer perdas distribucionais maiores para os concorrentes.

Uma economia pode absorver o progresso rapidamente, mas desde que as taxas de crescimento e produtividade americanas começaram a diminuir, é difícil para um economista enxergar um fato forte o suficiente para manter a Uber fora dos mercados de transporte. Na mesma medida, deveríamos fazer algo para ajudar os motoristas de táxi, o que pode ser resumido em melhorar benefícios e políticas de reconversão para os desempregados, não restringindo à inovação.

Os pesquisadores citados usaram um método engenhoso para cálculo dos benefícios do usuário. A Uber calcula números para aumento de preços em tempos de alta demanda, mas arredonda. Para um cálculo de condições de mercado que possam levar a um preço de onda 1.249 vezes mais alto que o normais tarifas será arredondado para baixo a 1.2, mas 1.251 seria arredondado até 1.3. Ainda as estimativas iniciais, não-arredondadas de 1.249 e 1.251 representam quase a mesma tensão de mercado subjacente.

Usando os dados da Uber, os autores, portanto, podem ver como a demanda pelos serviços varia conforme os preços oscilam - digamos de 20% a 30% acima as tarifas normais -, mesmo quando as condições de mercado são mais ou menos constantes.

Quando muito, esse método subestima o valor da Uber ao não capturar o que os economistas chamam de "valor de opção". Digamos que você vai para casa com um alguém tarde da noite, esperando que algo de bom aconteça. Mas você não tem certeza, pois essa pessoa pode fazer comentários indesejáveis sobre um candidato político específico, por exemplo, e então você desejaria ir embora rapidamente. O Uber seria a rede de segurança. Na maioria das vezes, você acaba não usando o serviço, mas sabe que o tem como um subterfúgio.

Ou considere os residentes urbanos que têm trocado seus carros no total. Eles sabem que podem pegar um Uber para o supermercado se precisarem, mesmo que na maioria das vezes não o tenham feito para comprar leite ou a comida do cachorro. Da mesma forma, a existência de Uber está ajudando algumas localidades a economizar em despesas de transporte de massa.

O estudo também não mede como a Uber talvez possa ajudar os Estados Unidos a chegar ao próximo nível de inovação de mercado, que neste caso pode significar uma rede de demanda para condutores de veículos.

Além do trabalho dos autores deste estudo, é possível tentar destrinchar uma estimativa melhor do futuro da Uber. Estes ganhos de consumidor significam que a Uber irá convencer os governos locais a deixá-lo a operar sem grandes entraves? Ou será esse excedente de consumidor um atrativo para mais participantes do mercado para a partilha, possivelmente até mesmo o Google, assim, erodindo o domínio atual do Uber?

A verdadeira lição aqui é o velho ditado de que a luta entre progresso e proteção nunca acaba. O progresso é doloroso para alguns, precisamente porque é um grande passo para todos os outros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.