Marcelo Tavares leva o online para a loja física
Marcelo Tavares leva o online para a loja física

Como converter em lucro uma 'olhadinha'

'Toda informação que ele tiver vai ser útil para fazer ajustes', explica especialista

Roberta Cardoso, especial para o Estado,

16 de outubro de 2015 | 07h05

Burburinho e aglomeração na frente de vitrines. A cena é comum em shoppings, principalmente em dezembro, quando as festas do fim de ano levam milhares de pessoas às compras. Mas, de fato, todos os circulantes levam alguma coisa?

:: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A pergunta, quem responde, é Marcelo Tavares, executivo da FX, empresa que desenvolve soluções para lojas e shoppings monitorarem o fluxo de pessoas que transitam fora e dentro dos ambientes onde estão localizados. E a resposta não é animadora: entre “dar uma olhadinha” e efetuar uma compra há uma enorme distância.

“O medo da crise faz com que os lojistas fiquem mais atentos agora. Neste período, o medo de perder vendas aumenta. Toda informação que ele tiver vai ser útil para fazer ajustes”, explica Tavares. É em períodos de retração, também, que a procura pelos serviços da FX cresce e o volume de trabalho chega a aumentar 40%. A empresa monitora o fluxo de circulantes e, a partir daí, fornece relatórios aos clientes. Os levantamentos incluem informações preciosas, que servem como uma espécie de termômetro para lojistas avaliarem como estão vendendo e para qual público.

:: Veja também ::

Natal da crise vai exigir jogo de cintura

Mercado de doces deve ganhar espaço

Ainda dá tempo de criar um site de vendas

Expansão em tempos difíceis

 

“Nós trazemos para as lojas físicas algumas qualidades das lojas virtuais”, explica. De acordo com o empresário, os canais de venda online oferecem ensinamentos ao comércio tradicional. “A internet saiu na frente neste sentido. Se uma roupa não está chamando atenção, você tem que mudar a vitrine. Ou se você vai comprar um eletrônico, recebe sugestões de produtos relacionados com a busca. São dois exemplos simples, fáceis de controlar num e-commerce, mas difíceis de mensurar no mundo offline”, contextualiza o executivo.

Realize. Mas atuar para deixar a loja mais atraente ao consumidor, e consequentemente aumentar as vendas neste Natal, é uma tarefa que pode não custar nada se o empresário adotar algumas medidas até simples.

De acordo com o Sebrae-SP, por exemplo, na vitrine, o empreendedor deve mostrar todos os produtos disponíveis à venda. Mas de uma maneira harmoniosa. Além disso, lojas bem iluminadas, segundo a entidade, costumam aumentar o potencial de vendas em até 40%.

Outra informação importante para o dono de um comércio diz respeito ao fluxo de clientes – as pessoas, normalmente, caminham para a direita da loja. Ou seja, segundo o Sebrae-SP, é esse o lado mais valorizado pelo cliente e que deve, assim, receber mais atenção.

Mais uma dica valiosa diz respeito a acessibilidade. Rampas e degraus devem ser pensados para que o acesso à loja seja rápido e fácil. O Sebrae-SP tem um programa de orientação à respeito que pode ser acessado pelo empreendedor na web (inovaloja.sebraesp.com.br).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.