NYT
NYT

Como a Banza, uma startup de massas à base de grão de bico chama cada vez mais atenção e prospera

Marca que foi ridicularizada na televisão norte-americana hoje pode ser encontrada em mais de 3,3 mil lojas nos Estados Unidos

Steve Friess, The New York Times

13 de dezembro de 2016 | 08h00

DETROIT - A primeira vez que atraíram uma grande atenção deveria facilmente pôr fim aos sonhos dos irmãos Rudolph.

Aquela era a chance de impressionarem o restaurador Joe Bastianich e o chef Tim Love, estrelas do reality show “Restaurante Startup” da CNBC.

Os dois irmãos achavam que tinham a ideia perfeita: uma massa à base de grão de bico, que denominaram Banza. Mas no programa da TV nacional eles tiveram de engolir ofensas sobre o design do pacote e o nome da marca. Mais mortal ainda foi quando os apresentadores questionaram se os jovens empreendedores tinham “um amor de verdade ou sabiam como seu produto seria apreciado pelos consumidores”

Foram apenas os primeiros cinco minutos. Em outro episódio de TV, Bastianich atirou um pacote aberto de massa ainda sem cozer frustrado com o executivo da marca, Brian Rudolph.

Mas a humilhação pública acabou compensando e de modo esplêndido para Rudolph e seu irmão Scott, diretor financeiro.

Brian Rudolph, em particular, compreendeu naquele dia em que seu produto foi da obscuridade para as prateleiras das lojas em todo o país, que chamar a atenção de qualquer maneira que seja para ele e seu produto, é um imperativo moderno do mercado.

Mas mesmo aqueles momentos inóspitos no “Restaurant Startup” abriram caminho para um elogio diante das câmeras de um executivo da cadeia Whole Foods. Banza também foi elogiada por clientes que experimentaram a massa no restaurante improvisado que os irmãos tiveram de montar como parte do show. E que faturou US$ 75.000 em capital inicial fornecido por Bastianich.

“Percebemos que surgem oportunidades quando a notícia se espalha e isto acelerou potencialmente nosso crescimento”, disse Brian Rudolph, 26 anos, que desenvolveu o protótipo inicial da massa de grã- de bico.

O programa, gravado em janeiro de 2014 só foi ao ar no meio do ano. Na ocasião, usando o investimento de Bastianich, US$ 17.581 obtidos em uma campanha online de financiamento coletivo e US$ 45.000 de capital inicial levantado junto ao grupo sem fins lucrativos Venture for America, os irmãos produziram a quantidade de massa necessária para cumprir o prazo de entrega, agosto de 2014, de uma encomenda feita pelo primeiro grande supermercado, a cadeia Meijer, the Grand Rapids, com sede em Michigan.

Dois anos depois e a massa Banza pode ser encontrada em mais de 3.300 lojas em todos os Estados Unidos. A partir de outubro 250.000 caixas - em cinco formatos de massa e quatro versões de pasta recheada com queijo - têm sido vendidas por mês, disse Scott Rudolph. Em novembro as massas começaram a ser vendidas nas lojas Target. 

Os irmãos, que são de Pleasantville, Nova York, têm cinco funcionários em Nova York e seis em Detroit.

O rápido crescimento da empresa é testemunho da sua tenacidade, mas a promoção da marca é fundamental para sua estratégia. Durante o ano de 2015 eles até deixaram que Cynthia Wade, documentarista que já ganhou um Oscar, os seguisse para um filme de longa duração, lançado recentemente, chamado “Generation Startup”.

As origens da linha de produto Banza decididamente eram modestas, com pouca tecnologia e pessoal. Quando Brian Rudolph criou a massa para seu próprio consumo na cozinha do seu apartamento em Detroit, estava buscando uma ideia para iniciar uma startup própria, focada em tecnologia. Ele havia sido enviado a Detroit para ser o primeiro funcionário de um aplicativo de promoção de marca chamado Quikly, da Venture for America, programa comunitário que coloca estudantes recém-formados que aspiram se tornar empreendedores para trabalharem por startups.

As ideias de tecnologia de Brian foram consideradas um fracasso pelos mentores e colegas da Venture for America. Mas quando, por acaso, ele mencionou os produtos à base de grão de bico que estava fazendo para ele, para atender sua necessidade muita proteína, alimento sem glúten, ele despertou atenção. / Tradução de Terezinha Martino 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.