Reprodução/Coca-cola
Reprodução/Coca-cola

Coca-cola lança bebida funcional e mira público acima dos 40 anos

País escolhido para os primeiros testes de mercado da Coca-cola Plus, como foi batizada a nova versão, é o Japão, famoso pelas altas taxas de longevidade da população

O Estado de S. Paulo

04 de maio de 2017 | 15h37

A moda de produtos funcionais acaba de chegar ao universo dos refrigerantes. Mais precisamente à Coca-cola, que acaba de lançar uma versão sem açúcar e sem calorias. Além dos atributos que pretendem agradar a marombeiros e marombados, a bebida contém cinco gramas de dextrina indigestível - uma fonte de fibra dietética - por embalagem de 470 ml.

A estratégia da marca é cativar o público acima de 40 anos e, para tanto, o país escolhido para os primeiros testes de mercado da Coca-cola Plus, como foi batizada a nova versão, é o Japão, famoso pelas altas taxas de longevidade da população. Ainda não há previsão de lançamentos em outros países.

Em comunicado oficial da marca para o lançamento do produto, a coca-cola afirma que a versão ajuda a suprimir a absorção de gordura e a moderar os níveis de triglicerídeos no sangue depois de comer. 

"A Coca-cola Plus é uma bebida sem açúcar e sem calorias, com funções para uso específico de saúde, por isso esperamos que as pessoas bebam com as refeições", afirma o diretor de desenvolvimento de produtos da marca, David Machiels.

A estratégia de relacionar produtos alimentícios a atributos funcionais não é novidade no Brasil nem mesmo para as pequenas empresas. Uma pesquisa da consultoria Euromonitor revela que o mercado mundial de comidas e bebidas orgânicas, funcionais e ligadas à saúde e ao bem-estar gerou receitas de 726 bilhões de dólares. O Brasil é o quinto maior mercado de alimentos saudáveis, movimentando 27,5 bilhões de dólares. No período entre 2010 e 2015, o crescimento acumulado brasileiro foi de 44%, quase o triplo da média mundial (15%).

Tudo o que sabemos sobre:
Coca-colaBrasilJapão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.