Clínica oftalmológica leva consultório em trailer para atender empresas

Clínica oftalmológica leva consultório em trailer para atender empresas

Iniciativa foi inspirada em projeto apresentado em um congresso nos Estados Unidos

Camila Ramos, Especial para O Estado de S. Paulo ,

07 de setembro de 2012 | 14h05

 Um funcionário da Braskem interrompe seu trabalho, vai para o estacionamento da petroquímica e entra em um trailer. Dez minutos depois, ele sai com uma receita para um novo óculos. Em seguida, outro empregado entra no espaço e sai de lá com uma recomendação para realizar exame de biometria ultrassônica, para pacientes com catarata.

O atendimento oftalmológico dentro dos locais de trabalho começou a ser oferecido em abril pela clínica Laser Ocular ABC. A iniciativa deu tão certo que se uma empresa decidir agora contratar o atendimento, só poderá agendá-lo para novembro.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

De abril a agosto o faturamento da clínica cresceu entre 8% a 10%. Segundo o diretor-administrativo da Laser Ocular ABC, Márcio Ciamponi, também é preciso considerar os ganhos com os casos em que os empregados atendidos voltaram a uma unidade física da clínica para continuar o tratamento.

Atendimento

Dentro do trailer, a consulta é realizada por um médico e dois assistentes, que fazem uma triagem gratuita dos pacientes e consultas com exames oftalmológicos de complexidade média, caso seja necessário.

O oftalmologista Edmundo Martinelli, um dos diretores da Laser Ocular ABC, conta que a ideia surgiu durante um congresso em que participou nos Estados Unidos, onde viu um projeto semelhante. “A ideia do atendimento móvel ficou na cabeça. Então fomos atrás de uma empresa em Itu que customiza os trailers e fizemos um projeto piloto”, que entrou em fase de testes em novembro de 2011, conta.

O investimento para criar a clínica móvel foi de R$ 50 mil, incluindo custos de aluguel e customização do trailer, de contratação de uma coordenadora para a logística dos atendimentos e de compra de equipamentos. “No começo a gente se atrapalhou um pouco para guardar o trailer", diz Martinelli. Mas, fora isso, não houve problemas para a gestão da clínica se adaptar ao novo negócio, garante.

Segundo o diretor Márcio Ciamponi, os primeiros atendimentos foram feitos com patrocínio de laboratórios, que tinham interesse de que os pacientes experimentassem e comprassem suas lentes de contato. Agora, os atendimentos são negociados com as empresas que se interessam pelo serviço. A unidade móvel da Laser Ocular ABC já realizou 1.500 consultas e 1.000 triagens.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.