André Conti/AE
André Conti/AE

Cinco perguntas que o empreendedor deve fazer antes de abrir um negócio em 2012

Diante de um cenário econômico turbulento e incerto, torna-se cada vez mais necessário pesquisar, planejar e aprender a correr riscos

Carolina Dall'Olio, Estadão PME,

05 de janeiro de 2012 | 07h30

2012 não será um ano fácil. No cenário internacional, os mercados andam apreensivos com o endividamento dos países europeus e a fraca reabilitação da economia norte-americana. Por aqui, o endividamento da população cresce, o ritmo da criação de postos de trabalho diminui e o crédito para pequenas empresas já começa a ficar mais caro. “Tudo indica que os mercados ficarão ainda mais competitivos para os pequenos negócios”, afirma Reinaldo Messias, consultor do Sebrae-SP.

Mas nada disso deve desanimar os empreendedores que pensam em abrir uma empresa em 2012. Mesmo diante de um cenário adverso, é possível iniciar um negócio vitorioso – desde que o empreendedor capriche em pesquisa, análise de mercado e planejamento. “Talvez neste momento, o melhor que podemos fazer é buscar respostas, de forma assertiva e segura, a algumas questões fundamentais voltadas a minimizar as chances de falhas que comprometam o sucesso de um novo empreendimento”, comenta Messias.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Para ajudar os empreendedores que pretendem estrear no mundo dos negócios em 2012, o Estadão PME ouviu especialistas e listou cinco perguntas que o candidato a empresário deve fazer antes de abrir um negócio. Confira:

1 - Eu estou preparado para o risco?

“Empreender implica em correr riscos”, destaca Fábio Iwai, presidente do instituto de fomento ao empreendedorismo Motivar. “Planejar não é garantia de sucesso. Isso se torna ainda mais verdadeiro em tempos de incerteza no cenário econômico. Por isso, antes de abrir uma empresa, é preciso se conscientizar dos riscos inerentes ao negócio e só seguir adiante se estiver disposto a enfrentá-los”, aconselha Iwai.

2 - Sei como a economia pode afetar minha futura empresa?

É preciso avaliar quais são os principais fatores econômicos que vão influir diretamente em seu negócio. A variação cambial pode alterar o preço final dos produtos que você vai comercializar? A sua empresa vai depender muito do crédito para realizar as vendas? As respostas variam de acordo com o perfil de cada negócio. Por isso, os especialistas aconselham que o empreendedor estude cada uma das variáveis para medir o grau do risco a que estará exposto. Assim, poderá desde já encontrar estratégias para enfrentar as constantes mudanças no cenário econômico.

3 - Este negócio combina comigo?

“O empreendedor precisa se conscientizar de suas capacidades e limites, analisando se o negócio que pretende montar é adequado ao seu perfil e se ele realmente vai conseguir oferecer uma contribuição decisiva para o sucesso da sua empresa”, define Iwai. “Fazer esta auto-análise também é importante para definir quais as capacidades que o empreendedor não possui e, a partir daí, saber que tipo de profissional ele precisa contratar para complementar a gestão da empresa.”

4 - O produto ou serviço que eu vendo tem algum grau de diferenciação?

“Quem não tiver nenhum diferencial a apresentar, rapidamente será engolido pela concorrência”, avisa Iwai. Sem qualquer inovação, as margens de lucro tendem a ser muito baixas – o que pode se transformar em um grande problema. “O empreendedor deve validar o projeto do empreendimento apenas se ele oferecer margens satisfatórias. Só assim ele terá algum espaço para errar no começo”, opina Iwai. “Com margens baixas, qualquer erro se transforma em um problemão.”

5 - Será que eu realmente planejei bem a empresa?

Caso o empreendedor tenha se saído bem nas perguntas acima, Reinaldo Messias, consultor do Sebrae-SP, recomenda ainda algumas questões do tipo “ tira-teima”.

São elas: tenho informações consistentes do mercado e da atividade que pretendo empreender? Empreender neste momento é uma questão de oportunidade ou necessidade? Como imagino esta empresa nos próximos três anos? Se faltar recurso financeiro, sei como consegui-lo? Conheço os aspectos legais e tributários que regulamentam esta atividade? Vou empreender sozinho ou realmente preciso de um sócio? Estou preparado técnica e emocionalmente para “tocar” esse empreendimento? Estou pronto para tirar esta idéia da cabeça e construir planos para o negócio?

Por fim, Messias dá uma última dica: “Procure sempre alguém para avaliar seus planos”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.