Ilustração: Pixabay
Ilustração: Pixabay

Cinco dicas para se dar bem na Black Friday

Com estimativa de crescimento de 20% para 2018 segundo dados do Google, a Black Friday é um dos dias mais agitados do comércio eletrônico a cada ano no Brasil. Ganhando mais força no País, a movimentação promete ser dez vezes maior que a de um dia normal do e-commerce, e o volume de buscas já é 14% superior ao mesmo período do ano passado. De acordo com o Google, 300 mil brasileiros compraram pela primeira vez na Black Friday do ano passado, e a expectativa é de que o número siga crescendo. Ou seja, o evento é uma oportundiade para não só elevar as vendas, mas também aumentar a clientela. As especialistas do Google, Lidiane Tahan e Jéssica Miwa, e a consultora de marketing e vendas do Sebrae, Monica Padovani, apontam cinco atitudes que os empreendedores devem adotar para se dar bem.

Pedro Ramos, Especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

16 de outubro de 2017 | 19h45

1 - Não ficar fora da Black Friday

As vendas na Black Friday não são exclusividade apenas das grandes empresas. Ficar fora representa perder a possibilidade de vender até 15 vezes mais que o faturamento de um dia comum, segundo dados do Google.

2 - Não tentar enganar o consumidor

O consumidor tem investido mais tempo para pesquisar do que para comprar produtos. A cada Black Friday, o consumidor brasileiro está mais preparado para evitar compras 'pela metade do dobro do preço'. Dar descontos reais e não 'camuflados' é estratégia eficaz para garantir a confiança do cliente.

3 - Planejamento adequado

'O empresário tem dificuldade de fazer o planejamento. Acaba fazendo tudo na mesma hora. Planejamento é a palavra-chave', avalia Monica.

Preparar adequadamente sua equipe e seu site, aumentando sua capacidade de processamento e de internet, é fundamental para atrair o consumidor e aumentar as vendas

4 - Não 'empurrar' qualquer produto para o consumidor

As empresas precisam pesquisar os produtos mais desejados pelo consumidor e, além disso, levantar os itens de menor giro de estoque, planejando ações específicas. 'Empurrar' produtos pouco pesquisados pelos consumidores é contraindicado.

5 - Oferecer uma boa experiência de compra

Além da eventual dificuldade de acesso e de efetuar a transação, a demora para receber o produto comprado é uma dor de cabeça que o consumidor nunca quer ter. 'A empresa deve sempre respeitar o prazo de entrega', afirma Monica, que complementa: 'É importante também oferecer meios seguros de pagamento e a política de troca e devolução precisa ficar clara para o cliente'.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.