Sergio Castro/Estadão
Sergio Castro/Estadão

Chocolate sem cacau e site de mobilidade estão entre os ganhadores do Prêmio Estadão PME

Em sua segunda edição, evento premiou empresas em cinco categorias, além de homenagear Zica Assis, escolhida empreendedora do ano

Estadão PME,

20 de junho de 2013 | 11h20

Uma marca de chocolate sem cacau, uma empresa de chinelo de pneu e um site que se dedica a melhorar a mobilidade urbana das cidades brasileiras. Esses três negócios, somados a uma startup voltada ao mercado de construção civil e uma pequena empresa da área de educação foram os vencedores da 2ª edição do Prêmio Estadão PME, que aconteceu na manhã desta quinta-feira, 20, em São Paulo.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A cerimônia aconteceu no Cultura Artística, localizado no bairro do Itaim Bibi, zona oeste da capital paulista. Premiou os destaques em cinco categorias: Empreendedorismo social, Minha história de sucesso, Negócios inovadores e Sustentabilidade empresarial.

O evento também homenageou Zica Assis, fundadora do Instituto Beleza Natural, escolhida como empreendedora do ano. O negócio é especializado em cabelos crespos e ondulados. Surgiu como uma necessidade pessoal de Zica e, hoje, é uma rede com 13 salões e 1,7 mil funcionários.

Confira abaixo a lista dos ganhadores.

::: Empreendedorismo social :::

A Associação Abaporu sagrou-se campeã na categoria que congrega empresas que desenvolvem atividades de impacto social. A Abaporu foi destaque por conta do seu trabalho em torno do Mobilize Brasil, portal sobre mobilidade urbana sustentável.  "Recentemente, alcançamos 1 milhão de pessoas. O prêmio vai aumentar nossa visibilidade", afirma Guilherme Bueno, conselheiro do site que tem como objetivo reverter a situação caótica do trânsito no País e desenvolver práticas sustentáveis de circulação de pessoas no cenário urbano.

::: Minha história de sucesso :::

A campeã da categoria é o site jaentendi.com.br. Trata-se de um projeto de pesquisa científica, tecnológica e de inovação desenvolvido com o objetivo de oferecer ao mercado uma solução de inteligência educacional focada na aceleração do aprendizado. A fundadora Gladys Mariotto foi a responsável por receber o prêmio. Para ela, o sucesso do negócio está no fato de ter sido concebido para suprir uma necessidade pessoal. "Criei uma metodologia para mim e decidi, depois, fazer algo replicável", conta.

::: Negócios inovadores :::

Aqui, o empreendimento de destaque foi a Carob House. Lançado pelo casal Carmine Giunti e Eloisa Helena Orlandi, o negócio produz uma alternativa ao chocolate feito a partir da alfarroba, uma leguminosa. Eles conheceram a alfarroba quando moraram no Canadá. Inaugurada em Curitiba, a empresa vende desde tablete até alfarroba com creme de avelã. Para 2013, o plano é concluir a primeira fase de ampliação da fábrica, que terá investimento de R$ 1,5 milhão. “Estamos há seis anos no mercado e, desde então, não abandonei a minhas panelas”, conta Carmine, que coloca nessa busca constante por novas receitas um dos motivos para o avanço do negócio.

::: Startup de potencial :::

A categoria, que reuniu empresas em estágio inicial com ou sem aporte de investidores externos, foi conquistada pelo site QMaterial, idealizado para fortalecer as pequenas empresas do varejo de material de construção. "Com esse prêmio, nosso desafio é chegar mais forte liderando essa revolução, que é trazer mais comodidade ao consumidor", explica Valter Pieracciani, sócio do negócio.

::: Sustentabilidade empresarial :::

Por fim, no critério da sustentabilidade, o prêmio foi concedido à Goóc, empresa fundada pelo vietnamita Thái Quang Nghiã em 2004 e que faz sucesso com a venda de calçados de borracha feitos a partir de pneus usados. "Realizei um sonho que agora é uma missão da empresa", diz.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.