Estadão
Estadão

Chieko Aoki: 'Precisamos fazer as coisas seriamente em vez de reclamar'

Para empresária, mesmo quem começa vendendo cachorro-quente pode se tornar um grande negociante

Letícia Ginak, ESPECIAL PARA, O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2017 | 09h17

Conhecida como a “dama da hotelaria brasileira” por empresários e funcionários, Chieko Aoki, fundadora da rede Blue Tree Hotels, acredita que “cada um tem de saber mudar o país e trabalhar com seriedade”. Ela participará no sábado da Semana Pró-PME dividindo suas experiências no módulo “Como ter um negócio duradouro na crise e na expansão”.

:: Vem aí a Semana Pró-PME; veja como participar ::

A sra. começou a empreender na década de 90. Como vê o cenário atual?

Eu vi pelos dados do mercado que o número de empreendedores aumentou significativamente nesse período de crise. Talvez porque perderam o emprego, e acredito que deve ser, provavelmente, a grande maioria. Mas nada impede que eles sejam grandes empreendedores de sucesso. Muitas vezes, achamos que empreendedor é aquele que faz um grande negócio ou tem uma ideia genial. Mas mesmo um pequeno vendedor, que começa com uma barraca de cachorro-quente, pode ser um grande empreendedor. 

O Brasil está procurando estabilidade econômica e política. A sra. acredita que os empreendedores vão ter condições de se profissionalizar?

Não desenvolvemos as pessoas, as pessoas se desenvolvem. E não desenvolvemos o empreendedor, nós criamos condições. Mas aquele que sabe o que quer, que se apaixona e se dedica, esse vai se tornar um grande empreendedor. A vida precisa de gente que faça coisas seriamente, mesmo que sejam pequenas. Reclamamos que o governo isso, que a economia aquilo… Reclamar é a coisa mais fácil. Em vez de reclamar, você precisa fazer as coisas com seriedade, se aprofundar, ter uma produtividade melhor. São essas pessoas que mudam o País. Não é o governo sozinho que muda. 

Em 2006, a sra. presidiu o grupo de Mulheres Líderes Empresariais (Lidem). Como enxerga o papel da mulher no mercado de trabalho, especialmente em posições de liderança?

Existem vários grupos com mulheres muito sérias preocupadas em fazer com que o Brasil seja o país que nós queremos. E as mulheres estão aprendendo que ficar reclamando não dá certo. Acho que quanto mais mulheres estiverem em cargos de liderança, com certeza elas vão ter muitas amigas igualmente competentes, que vão indicá-las para outros cargos importantes e assim por diante. Vai se criar um ciclo virtuoso de mulheres subindo puxando umas às outras. E as mulheres são melhor formadas nas universidades, fazem mais pós-graduação, conseguem lugares nas melhores escolas. Condições a mulher tem. E muitas. 

E o que está faltando? 

O que está faltando é que nós mesmas, e principalmente os homens, precisam ter consciência de que as mulheres em cargos de liderança estão fazendo a diferença. Diversos fóruns pelo mundo já comprovaram que as mulheres estão fazendo trabalhos extraordinários, porque humanizam a empresa. E cada vez mais as empresas estão buscando como fazer com que as suas equipes estejam felizes e produtivas. Precisamos de empurrão? Sim, no sentido de uma ajudar a outra. E os homens precisam ajudar a abrir a porta para as mulheres. Isso com certeza vai dar mais velocidade às mudanças positivas no mundo.

:: Semana Pró-PME traz informações para donos de negócios ::

:: 2018 será melhor para empreender ::

A sra. tem importante experiência no mercado internacional. Vê alguma diferença no gestor ou na forma de gerir um negócio no Brasil e no exterior?

Acho que problemas existem em todo lugar. O que é importante no final é que as pessoas se sintam bem, felizes nas suas empresas e que produzam bem. 

Na Semana Pró-PME a sra. vai falar com pessoas que pensam em empreender, mas ficam paralisadas, principalmente em tempos de crise. O que pretende falar para essas pessoas?

Cada negócio tem a sua peculiaridade, mas existem princípios comuns. Por exemplo, as pessoas dizem que temos de ser determinados, persistentes etc. Isso é normal em qualquer empreendimento, com crise ou sem crise. Agora, em uma crise, se você consegue encontrar um propósito, uma razão de ser naquele negócio, não é tão doloroso, porque você consegue superar melhor as dificuldades que qualquer negócio tem nos bons e nos maus tempos. Você consegue superar melhor quando você encontra o significado daquilo que você faz. Isso é fundamental.

Tudo o que sabemos sobre:
Empreendedorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.