Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Centauro se une a microempresa para vender toucas afro de natação

Ação do multicanal esportivo, que tem mais de 200 lojas pelo País, com a marca DaMinhaCor fortalece pequeno negócio de toucas de natação para cabelos afro e dá visibilidade ao afroempreendedorismo

Anna Barbosa, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2021 | 19h00

Durante a pandemia, com o fechamento das academias de ginástica, o empreendedor Mauricio Delfino, da marca DaMinhaCor, viu a venda de suas toucas de natação para cabelo afro chegar a zero durante meses. Para sua sobrevivência, buscou crédito e investiu numa linha de maquiagens e em toucas descartáveis para cabelos volumosos.

Depois de tantas adaptações num negócio de porte muito pequeno, neste ano a microempresa conseguiu realizar uma parceria com a gigante Centauro, rede multicanal de artigos esportivos com mais de 200 lojas físicas espalhadas pelo Brasil e mais de mais de 100 mil diferentes modelos de produtos em seu e-commerce, incluindo marketplaces.

A parceria com a DaMinhaCor, no entanto, não é para entrada da empresa no marketplace, mas sim para a distribuição dos produtos em loja (física e digital), com a venda de dois modelos das toucas de natação (cabelos volumosos e super volumosos para adulto).  Nas lojas físicas, os produtos estarão disponíveis em 9 endereços pelo País, entre eles na loja da Avenida Paulista, em São Paulo, e em shoppings de outras capitais como Rio de Janeiro, Salvador, Fortaleza e Natal.

A marca, que não possui concorrentes diretos, é pioneiro em vender modelo de touca desenhada especialmente para cabelos volumosos. “A importância de entrar no canal de vendas (nas lojas físicas) mais relevante da América Latina é a realização de um sonho. Ainda na fase de estruturação do projeto da DaMinhaCor, eu já dizia que o nosso grande alvo a ser perseguido era atrair a atenção desta empresa (Centauro), pois de fato conseguiríamos facilitar o acesso do nosso produto, que até então era restrito a pequenas lojas regionais e à internet, de maneira mais ampla”, diz Maurício.

O empreendedor relembra as dificuldades que teve em seu negócio, principalmente por enfrentar episódios de racismo, e ressalta a importância de uma parceria com uma gigante como a Centauro.

“Muitas vezes ouvi de gerentes de loja que eu deveria mudar de ramo pois não haveria público para meu produto. Vejo essa parceria com muito bons olhos, pois precisou apenas de uma tomadora de decisão sensível à causa (acesso e igualdade) dentro da Centauro olhar para a DaMinhaCor e constatar o tamanho da oportunidade que temos.”

Ele conta que, para entrar na Centauro, precisou preparar fábrica, matéria-prima e funcionários para atender a futura demanda. "Em uma operação escalada em grande volume como a Centauro, se houver algum problema, talvez eu não tenha tempo de reação para corrigi-lo. Então, eu tomei esse cuidado (previamente)."

Para ele, além de atender essa nova operação, outro desafio também será não perder a relação de identidade com o consumidor negro. “Quando a comunidade negra for comprar esse produto na Centauro, precisa ter a consciência de que esse produto é feito por nós e para nós. Essa é minha maior preocupação: não perder a identidade e a agilidade.”

Quer debater assuntos de Carreiras e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo. Se quiser apenas receber notícias, participe da nossa lista de distribuição por esse link ou digite @canalsuacarreira na barra de pesquisa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.