Caso de sucesso, brownie carioca deve faturar R$ 1 milhão em 2013

Caso de sucesso, brownie carioca deve faturar R$ 1 milhão em 2013

Negócio começou com a venda informal de bolos para colegas de escola

Guilherme Sobota, Especial para o Estado,

24 de outubro de 2013 | 06h32

Quando nas próximas semanas Luiz Quinderé, 23, inaugurar a nova fábrica de sua empresa no Rio de Janeiro, seu faturamento vai ter crescido mais de 5000% apenas desde o início de 2012. E olha que a empresa não é nova: criado em 2005 pelo então adolescente de 15 anos, o negócio de fazer brownies - o bolo de chocolate tradicional dos norte-americanos - cresceu tanto que hoje emprega treze pessoas e está prestes a se mudar para uma fábrica de 200 metros quadrados, o que deve aumentar a capacidade de produção em cinco vezes.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Tudo começou em 2005, quando Luiz aprendeu da cozinheira de uma amiga a fazer o bolo, levou para a escola e percebeu que, se vendesse, os colegas comprariam. Desde então, o negócio só cresceu. "Percebi que seria realmente sério quando, em 2012, movi a produção de casa para a fábrica atual", conta. A locação hoje ocupa um espaço de 25 metros quadrados que produz 4,1 toneladas de brownie por mês.

A empresa vende brownies separados em pequenas embalagens e também latas com as casquinhas que "sobram" da produção total. Desde junho de 2013, mês em que o faturamento da empresa praticamente dobrou em relação ao mês anterior, as latas e os bolinhos são repassados também para intermediários.

"Nunca fomos atrás de nenhum ponto, todos eles se interessaram em vender", conta Quinderé. Hoje são quarenta pontos de venda entre o Recreio dos Bandeirantes, a Barra da Tijuca, a zona sul e o centro do Rio de Janeiro. Com o aumento da capacidade de produção, a previsão de faturamento para 2013 é de R$1 milhão.

:: Leia também ::

Mercado de doces requer criatividade

Tudo o que sabemos sobre:
browniebrownie do LuizdocenegócioPME

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.