Frangos alugados são recolhidos durante o inverno
Frangos alugados são recolhidos durante o inverno

Casal cria empresa de aluguel de galinhas e expande por franquias

Serviço é indicado para quem deseja ter ovos frescos em casa ou busca a companhia de um animal

Estadão PME,

06 de maio de 2015 | 06h58

Os frangos também amam. Há quem defenda, inclusive, que galos, galinhas e pintinhos são capazes de olhar nos olhos e estabelecer vínculos, assim como cães e gatos, os pets mais comuns nos quintais do mundo. Por defender este sentimento genuíno, o casal Mark e Jen Tompkins, moradores de uma fazenda no interior do Estado da Pennsylvania, decidiu compartilhar com moradores da região o prazer que sentiam em criar frangos em casa.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Para tanto, os dois fundaram a Rent-a-chicken, empresa responsável por alugar (sim, alugar) galinhas para clientes que desejam ter ovos frescos sem precisar ir ao supermercado, ou mesmo desfrutar de momentos agradáveis na companhia de uma penosa.

A ideia é simples: por um valor inicial de US$ 350, Mark e Jen levam até a casa do cliente um par de galinhas poedeiras, uma gaiola, suplementos alimentares e água para o período do aluguel dos animais, que acontece entre os meses de maio e novembro, temporada de temperaturas amenas. Durante o inverno, o casal recolhe todos os frangos alugados para um tratamento especial.

Os parceiros têm como principal impulso para o negócio a procura cada vez mais constante por produtos orgânicos e pela qualidade nas refeições das famílias. Para isso, nada melhor do que ter um frango no quintal de casa, o que possibilita aos clientes viver uma experiência de "fazenda urbana", como explica o site da Rent-a-chicken.

O aluguel de frangos fez tanto sucesso que Mark e Jen já começaram a expandir o negócio, que existe desde 2013, por meio de franquias. Unidades já podem ser encontradas nos estados norte-americanos de Michigan, Massachusetts e Maryland.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.