Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Casa oferece experiência ao cliente e ganha espaço em São Paulo

The Gourmet Tea tem três lojas, sendo duas em shoppings da cidade

GISELE TAMAMAR, ESTADÃO PME,

31 de maio de 2013 | 07h11

Colocar a erva na água quente, acompanhar a infusão e sentir o aroma. Ao deixar o cliente preparar o próprio chá, a The Gourmet Tea pretende proporcionar uma experiência sensorial em suas lojas. Mesmo que elas estejam cheias de gente. E a maneira de servir a bebida tem agradado o público de São Paulo. A marca, que começou com a ideia de vender chá de alta qualidade, tem três lojas na capital, sendo duas em shoppings.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Mesmo sem revelar números do negócio, um dos sócios, Daniel Neuman, afirma se tratar de um mercado em crescimento. “As casas especializadas têm seu público. A Gourmet Tea não é só para um público que toma chá, mas é uma opção para quem gosta de chá ter para onde ir”, afirma Neuman, que tem como sócio o amigo Leandro Toledano. Nas lojas, é possível, por exemplo, tomar um café da marca Santo Grão.

A proposta inicial do empreendimento era desbravar um caminho – ainda pouco explorado no País – para se destacar e oferecer ao consumidor o chá considerado de qualidade, ir além do produto de saquinho que o brasileiro está acostumado a beber. Por isso, os sócios não medem esforços e importam de 35 países diferentes a matéria-prima que será usada nas receitas do cardápio.

“Temos a preocupação de trabalhar com produtos orgânicos, com certificação de que o fornecedor não terá nenhum tipo de exploração irregular na produção”, diz o empresário ao destacar outro diferencial.

As regiões onde estão instalados os produtores também interferem na qualidade daquilo que será oferecido ao cliente. “Podemos dizer que é como o vinho. O solo correto, a altitude e o clima influenciam as condições ideais para determinados chás”, garante Neuman.

Expansão. Por enquanto, Neuman não pretende expandir os negócios por meio de franquias e também não quer abrir unidades fora de São Paulo. “Recebemos muitas solicitações de abertura de franquias. Mas tudo o que é servido hoje na loja somos nós que fazemos. Abrir franquias tem toda uma mudança de gestão”, completa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.