Epitacio Pessoa/AE
Epitacio Pessoa/AE

Cartões movimentam R$ 159 bilhões no 2º trimestre

Volume de pagamentos cresceu 26% ante o mesmo período do ano passado

Altamiro Silva Junior, Agência Estado,

30 de agosto de 2011 | 17h00

 Os cartões de crédito, débito e de lojas movimentaram R$ 159 bilhões no segundo trimestre de 2011, expansão de 26% ante o mesmo período do ano passado, segundo dados divulgados nesta terça-feira pela Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs). O País fechou junho com um total de 657,2 milhões de cartões emitidos, aumento de 10% ante o mesmo mês do ano passado. Os plásticos emitidos por bancos, lojas e redes de varejo fizeram um total de 2 bilhões de transações entre os meses de abril a junho, alta de 20%.

No primeiro semestre, o volume movimentado em pagamentos com cartões somou R$ 301 bilhões, aumento de 23% ante o mesmo período do ano passado. Somente os cartões de crédito giraram mais da metade desse valor, R$ 176 bilhões no período, alta de 27%.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

Na avaliação do presidente da Abecs, Cláudio Yamaguti, o crescimento do setor tem sido puxado pela substituição de meios tradicionais de pagamento (como o cheque e dinheiro) por cartões. Ele destacou ainda o aumento de renda da população, que tem trazido novas pessoas para esse mercado, especialmente das classes C, D e E. "O crescimento foi acima da média", disse o executivo em entrevista à imprensa.

Outro ponto que contribuiu para o crescimento foi a abertura do mercado de credenciamento a novos competidores, que em julho completou um ano. Com o aumento da competição entre Redecard e Cielo e novas entrantes no setor, como o Santander e o Banrisul, mais estabelecimentos comerciais passaram a aceitar cartões, o que aumentou as transações e os volumes movimentados pelos plásticos. Yamaguti destaca que houve expansão no número de profissionais liberais, como médicos e táxis, que aceitam cartões. O executivo, além de presidente da Abecs, comanda a Redecard.

Yamaguti cita ainda o crescimento das operações (saques e pagamentos) com cartões de crédito no exterior, em meio a queda do dólar e do euro e do aumento da renda da população brasileira. O valor total de compras feitas com esse meio de pagamento em outros países foi de R$ 4,9 bilhões no segundo trimestre, um crescimento de 22% ante o mesmo período de 2010. "Mesmo com aumento do IOF, as compras no exterior continuam crescendo", disse.

Mercado deve dobrar até 2015

O mercado de cartões deve dobrar de tamanho até 2015. A previsão é que naquele ano os plásticos movimentem R$ 1,3 trilhão. Para 2011, a estimativa é que o mercado gire R$ 667 bilhões, com cerca de 8 bilhões de transações.

Além da Copa do Mundo no Brasil em 2014, que deve dar impulso adicional ao setor, o presidente da Abecs, Claudio Yamaguti, destaca que há ainda muito espaço para crescer na substituição de meios de pagamento mais tradicionais, como dinheiro e cheque. Os meios eletrônicos respondem por 29% dos pagamentos feitos no Brasil. "O desafio é crescer nesses outros 71%", disse o executivo.

Os gastos com cartões representam 24% do consumo das famílias no Brasil, ante 49% nos Estados Unidos. A previsão da Abecs é que esse porcentual termine 2011 em 26%. Para se chegar ao patamar do mercado americano, a previsão é que demore em torno de 10 anos.

Tudo o que sabemos sobre:
EconomiaComércioComprasConsumidor

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.