Nilton Fukuda/AE
Nilton Fukuda/AE

Carlos Martins, dono do Wizard, vai responder suas dúvidas

Interessado deverá enviar sua pergunta para o e-mail pme@grupoestado.com.br

Estadão PME,

30 de setembro de 2011 | 06h35

Carlos Martins, dono da rede de ensino Wizard, vai responder dez perguntas de internautas. Os interessados devem enviar suas questões para o e-mail do Estadão até o dia 10 de outubro. Junto com a questão, é importante enviar o nome completo, a cidade e o estado onde reside e também o seu ramo de atuação. As perguntas selecionadas com as respostas do empresário serão publicadas em nosso site.

O empresário participou da quarta edição do Encontro Estadão PME. Na ocasião, pequenos e médios empresários tiveram a chance de fazer perguntas para Carlos Martin e trocar experiências sobre a administração de um empreendimento.Hoje, além da rede de ensino Wizard, Carlos Martins lidera o grupo Multi, um gigante conglomerado do ramo de educação que reúne as redes Skill, Alps, People, SOS, Microlins, Bit Company, Yázigi, Quatrum e Smartz.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

O interessado em participar com perguntas deve enviar seu e-mail para pme@grupoestado.com.br.

Durante o encontro PME, Carlos foi questionado sobre diversos assuntos ligados ao empreendedorismo. Abaixo, selecionamos os principais trechos do encontro.

Planejamento

Para quem pretende abrir uma empresa ou criar um novo projeto, Martins sugere estimar qual o retorno financeiro que o empreendimento pode trazer em cinco ou dez anos. “Se você ficar satisfeito com esse possível resultado, pode tocar em frente porque você está no caminho certo. Caso contrário, o melhor a fazer é repensar o projeto antes mesmo de começar a trabalhar.”

Mão de obra

Os participantes do encontro foram unânimes ao reclamar da escassez de profissionais qualificados no mercado. Martins deu então sua receita para driblar o problema: contratar trabalhadores jovens, investir na formação deles e oferecer um plano de carreira que motive o funcionário.

“Depois de um tempo, a pessoa está formada de acordo com a cultura da sua empresa e se torna fiel ao seu negócio. Passa a desejar o bem para você, para sua família, para sua empresa e para seus clientes”, garante.

Retenção de talentos

Mas e se mesmo depois de tanto investimento, o funcionário aceitar a proposta de um concorrente e decidir sair da empresa? Isso pode acontecer, admite Martins. Mas para evitar situações como essa, a Wizard criou uma estratégia. “Depois que o funcionário já havia atingido os postos mais altos que poderíamos oferecer, se ele tivesse uma veia empreendedora, seria convidado a se tornar sócio de uma franquia”, conta Martins. A medida deu resultado. Além de evitar que empregados migrassem para a concorrência, a Wizard conseguiu formar bons quadros para tocar as novas unidades.

Gestão profissional

“Após obter certo grau de sucesso, o empresário precisa ter a capacidade de se afastar um pouco da rotina do negócio, deixar outras pessoas com as tarefas cotidianas e começar a cuidar da estratégia de crescimento”, ensina Martins. Também se torna fundamental, na opinião do empresário, escutar sugestões. A estratégia de expansão adotada por Martins, que culminou na criação do grupo Multi, foi idealizada por seus filhos. Eles apresentaram argumentos técnicos e convenceram o pai a fazer a Wizard crescer por meio da aquisição de concorrentes.

Divulgação e promoção

“A melhor forma de divulgar sua marca é atender muito bem os clientes atuais”, sentencia Martins. A propaganda que os consumidores farão do negócio, afirma o empresário, garantirá novas vendas. Mas isso não significa que a empresa deve descartar outras ações de marketing. Longe disso. Entre as muitas iniciativas tomadas pelo grupo Multi para divulgar suas marcas, Martins cita as promoções em sites de compras coletivas como exemplo.

“Embora muitas vezes o preço pago pelo consumidor nessas promoções mal cubra os custos com a prestação do serviço, essa é uma forma de trazer mais clientes para a empresa e ganhar a chance de fidelizá-los”, afirma o empreendedor. “E aquele cliente, se ficar satisfeito, vai te indicar para um amigo.”

Erro

Mas a construção de um negócio de sucesso não é feita apenas de tacadas certeiras. O empresário contou durante o encontro, por exemplo, que errou feio ao abrir uma escola de inglês para estrangeiros em Miami, nos Estados Unidos. “Quando você percebe que está no caminho errado tem de ter humildade e voltar atrás o quanto antes.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.