Nilton Fukuda
Nilton Fukuda

Business game envolve participantes em situações reais do mercado no primeiro dia da Semana Pró-PME

Sob o comando de César Sabretti, da Academia de Marketing, participantes foram divididos em seis grupos para criar e gerir uma empresa do zero

Letícia Ginak especial para, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2017 | 18h27

Em 3 horas e meia os participantes da Semana Pró-PME tiveram o desafio de fazer um raio-x de uma agência de turismo para adequá-la ao mercado, conquistando clientes. Essa é a dinâmica do Business Game, prática que projeta a realidade do mercado para empreendedores. 

Em seis etapas que simulam um ano cada, os participantes puderam vivenciar a experiência de começar uma empresa do zero, superando simulações que interferiam diretamente na eficiência do plano de negócios proposto. Os feedbacks sobre o desempenho em cada etapa são passados aos participantes em tempo real. 

Além de ter a oportunidade de aprender novas formas de gestão e superar dificuldades, durante o jogo os participantes precisam ainda saber trabalhar em grupo, com “companheiros de trabalho” completamente desconhecidos. Para César Sabrett, responsável por aplicar o jogo, ele proporciona a oportunidade de os participantes ouvirem mais uns aos outros e trabalharem em equipe. “A essência do jogo é obter a maior rentabilidade para a empresa, vendendo o produto que o cliente quer comprar e não o que a sua empresa quer vender”, finaliza Sabrett. 

Tudo o que sabemos sobre:
Empreendedorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.