Reprodução
Reprodução

Britânicos relançam menor carro do mundo, agora movido à energia elétrica

No alto de seu 1 metro de altura por 1,3 metro de comprimento, o Peel foi o menor carro já lançado em todo o mundo

Estadão PME,

25 de setembro de 2014 | 17h40

No alto de seu 1 metro de altura por 1,3 metro de comprimento, o Peel foi o menor carro já lançado em todo o mundo. Circulava na Inglaterra e há pelo menos quatro décadas é tratado como objeto raro de colecionadores. Agora, um grupo de empreendedores britânicos decidiu trazê-lo de volta, só que adaptado às demandas sustentáveis da atualidade, o carrinho vai funcionar movido à energia elétrica.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O veículo roda com velocidade máxima de 56 km/h, o que inviabiliza sua circulação em vias de alta velocidade. "Eles são construídos como carros urbanos", diz Dan Goldstone, gerente financeiro para o fabricantes para o site de inovação Fastcompany. "Eles são pequenos, fáceis de estacionar e fáceis de dirigir por ai. Desde que você não esteja indo para centenas de milhas além, você estará bem", afirma o executivo.

Por dentro, a versão elétrica funciona com um motor de ciclomotor. Claro, graças às minúsculas proporções e ao peso leve, o carro não precisa lá de muita potência para fazê-lo sair do lugar. Com 136 quilos, é 15 vezes mais leve que o Tesla Model S, o carro elétrico da moda pelo mundo.

No passado, diga-se de passagem, o Peel era ainda mais leve: a versão de 1960 não tinha marcha ré, então o motorista precisa sair do carro e usar os braços para literalmente empurrar o carro para trás e colocá-lo no curso desejável.

Mas, infelizmente, não será possível ver muitos desses novos Peels nas ruas. "Nós queremos mantê-lo em versão limitada", diz Goldstone. "Como muitos outros tipos de carros clássicos raros, se você massifica sua produção, perde o valor, perde a sua tradição, seu caracter único. Eles sempre serão construídos manualmente."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.