Reprodução
Reprodução

Brechó de marcas de grife fatura R$ 2 milhões por semana nos Estados Unidos

Rede Clothes Mentor tem 90 unidades e apostou em visual de loja chique para quebrar estigma de roupa usada

Estadão PME,

23 de abril de 2013 | 18h04

O norte-americano Ron Olson é o tipo de empresário que soube fazer do limão uma bela limonada. Ao observar a queda no consumo local por conta da crise da economia dos Estados Unidos, ele sentiu que o momento era mais do que propício para um negócio que ele já prospectava no mercado: a Clothes Mentor, especializada em compra e venda de roupas usadas.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Em suas andanças pelos Estados Unidos, Olson conheceu a rede de brechós na cidade de Columbus, região de Ohio, que vendia e comprava peças usadas de grife para mulheres com idades entre 25 e 65 anos. Ele gostou tanto da ideia que comprou o negócio de seus fundadores e deu, literalmente, um banho de loja nas três unidades em operação.

"Mantive o nome, mas redesenhei o logotipo, o interior e o exterior das lojas, deixando a aparência como de um comércio normal do setor de roupas", disse Ron Olson à rede de televisão Fox News. "O modelo já tinha sido comprovado como rentável por meio de três lojas lançadas em Columbus", contou ele, que após a reconfiguração decidiu franquear o modelo e oferecê-lo para todos os Estados Unidos.

"O estigma de comprar roupas usadas foi algo que tivemos de superar. Nós praticamos transformamos a loja em um espaço ainda melhor do que qualquer loja tradicional", afirmou Olson, que conta com 90 unidade da Clothes Mentor em operação atualmente e revela faturar US$ 1 milhão (cerca de R$ 2 milhões) por semana.

"Segundo meu ponto de vista, quando penso no sucesso que obtive com o negócio, é importante ter as ferramentas de gestão por perto, mas estar no lugar certo e no momento certo é também muito importante", diz Olson.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.