Helvio Romero/Estadão
Helvio Romero/Estadão

Brasileiro lança site para turista sem dinheiro trocar trabalho por estadia pelo mundo

Worldpackers venceu a categoria Startup de Potencial do Prêmio Estadão PME

Mariana Desidério, especial para o Estado,

02 de outubro de 2014 | 19h04

Em 2010, o economista Riq Lima decidiu largar o emprego estável e bem remunerado em um banco de investimentos e comprou uma passagem só de ida para a África. A viagem, que deveria ser de apenas alguns meses, se estendeu por três anos e mais de 50 países. Na volta, além da vivência, Lima trouxe na bagagem a ideia para um novo negócio: o Worldpackers, site que faz o contato entre viajantes em busca de hospedagem e hostels em busca de serviços.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A iniciativa deu certo e conquistou a categoria Startup de Potencial. “Para uma Startup, é muito difícil competir com as grandes. E essa premiação nos ajuda a fazer contatos, abrir portas, além do respaldo que recebemos. Esse reconhecimento é muito gratificante”, afirmou Lima durante a premiação.

O empresário conta que, durante a viagem, sempre que queria ficar mais tempo num lugar, optava por oferecer seus serviços, tudo baseado em suas aptidões. “É um jeito de baratear os custos e valorizar o que cada um sabe fazer”, explica.

A ideia do site surgiu de uma conversa entre ele e seu sócio, Eric Faria, na Califórnia. Lima estava no fim da viagem pelo mundo e Faria era sócio de um albergue para turistas que hospedava apenas pessoas dispostas a colaborar com seu trabalho. “Esse já é um sistema comum nos hostels. O que trouxemos é uma tecnologia para facilitar o contato entre o viajante e esses lugares. Fazemos um cruzamento de datas, dos locais de interesse e do perfil dos interessados para conseguir a melhor combinação possível para os dois lados”, descreve Lima.

Lançado em fevereiro deste ano, o site já reúne 400 hostels, espalhados por 96 países, e tem 13 mil viajantes inscritos, de 100 nacionalidades diferentes. O número de usuários cresce a uma média de 50% ao mês, diz Lima, que não está preocupado, pelo menos por enquanto, com o faturamento do empreendimento: “Por enquanto, nosso objetivo é ser referência em viagens de baixo custo. Faturamento é algo para pensarmos mais para frente”, finaliza.

O Worldpackers superou duas concorrentes de peso. A Wiki4fit desenvolveu um site com aplicativo para celular em que os usuários podem acessar treinos físicos para se exercitar.

A Juv Acessórios, por outro lado, usa a internet para potencializar a venda direta de bolsas e também de bijuterias.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.