Divulgação
Divulgação

Brasileiro embolsa R$ 30 mil por mês com aluguel de casa para turista em Orlando

"É como comprar pastel", diz publicitário sobre investimento de R$ 300 mil que fez em casa própria nos Estados Unidos

Renato Jakitas, Estadão PME,

09 de maio de 2013 | 07h40

Quando embarcou para sua primeira viagem internacional, o publicitário Wendel Ferrari nem poderia imaginar que, além de três malas repletas de compras, ele também voltaria para casa com um novo negócio na cabeça: o de aluguel de casas para brasileiros em Orlando, nos Estados Unidos, para onde viajou em lua de mel com a esposa em 2010.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A semente para a empresa, chamada Temporada na Disney, foi plantada no dia em que ele se preparava para retornar ao Brasil. A corretora responsável por intermediar o aluguel da casa em que o casal ficou, com piscina, quartos com suítes e dentro de um condomínio fechado, deu a dica ao perceber a animação do publicitário com a estadia na casa, que ele diz ter custado o equivalente a um hotel quatro estrelas na região. "Ela me falou 'por que você não compra uma casa aqui?'. Eu lembro que olhei para ela e disse, 'imagina, eu não tenho dinheiro'", lembra Ferrari.

Ferraria mudou de ideia quando soube do preço do imóvel: US$ 175 mil. "O dólar estava R$ 1,75. Imagina, uma casa com quatro dormitórios, três banheiros, duas suítes e uma piscina por R$ 300 mil? Não dava pra acreditar", conta o empresário, que veio por quase todo o caminho de retorno pensando na proposta. Fez um plano de negócios quando chegou em São Bernardo, onde mora e tocava uma agência especializada em internet, vendeu um sítio que tinha e não usava para se capitalizar e, um ano depois, voltou aos Estados Unidos para fechar o negócio.

"Foi a melhor coisa que eu fiz. Gastei uns US$ 5 mil para decorar a casa e, como eu sabia de internet, vivia disso, montei um site para alugar o imóvel no Brasil, colocando o nome de Temporada na Disney. Em poucos dias estava cheio de propostas", afirma.

Ferrari conta que outros vizinhos brasileiros nos Estados Unidos observaram o sucesso da ideia e o procuraram para, eles também, anunciarem a casa no site. "Perguntei por quanto eles alugavam a casa e coloquei no site 20% mais. Contratei uma empresa de administração, que recebe e dá toda a atenção aos locatários, em português, e montei um negócio", explica Ferrari, que decidiu fechar a agência para se concentrar exclusivamente no novo empreendimento, que já lhe rende, mensalmente, de R$ 20 mil a R$ 30 mil no bolso.

"Para você ter uma ideia, tenho 40 casas em meu site, e já não tenho opções para quem quiser alugar de 20 de dezembro a 6 de janeiro."

Em média, um pacote de sete dias em uma das casas anunciadas no site do empresário gira em torno de US$ 1.147 (cerca de R$ 2.294). "Agência (de publicidade) nunca mais. A gente entrega os resultados e nunca está bom. No mês que vem as metas são sempre maiores. Com a minha empresa, agora, é completamente diferente. Você não faz ideia do que é, depois de alugar uma casa, a pessoa telefonar para você só para agradecer e dizer que deu tudo certo, que a viagem foi ótima", confessa Wendel Ferrari, que daqui a três meses deve inaugurar sua segunda casa própria em Orlando. "Eu falo para quem me pergunta. Comprar casa nos Estados Unidos é igual comprar pastel. Não tem burocracia e o preço ainda compensa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.