Felipe Rau/AE
Felipe Rau/AE

Brasileiro é o profissional com maior medo de negociação do mundo, diz pesquisa

Levantamento mostra que 21% dos brasileiros têm receios na hora de negociar, contra 5% da média internacional

ESTADÃO PME,

04 de abril de 2012 | 18h00

 Uma pesquisa divulgada pela rede de relacionamentos  LinkedIn mostra que o 21% dos profissionais brasileiros têm medo de negociações A média dos outros países é de 5%. O levantamento foi feito com mais de 2 mil profissionais em diversos países e avaliou quesitos como medo, empolgação, ansiedade, confiança no momento de negociar.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google+ ::

Apesar de os brasileiros apresentarem o maior índice no quesito medo, o Brasil ficou em terceiro lugar em confiança, com 38%, e em empolgação, com 12%. Em sétimo lugar, 20% dos entrevistados brasileiros também sofrem com ansiedade.

No ambiente de trabalho, por exemplo, uma negociação muito comum é o momento em que o profissional decide pedir um aumento de salário. Na média mundial, a pesquisa aponta que 35% das pessoas dizem sentir ansiedade ou medo durante a negociação, 34% revelam ser confiantes, 10% ficam empolgadas e 10% são indiferentes.

Os profissionais alemães são os que encaram a negociação de forma mais positiva,  com 43% dos profissionais confiantes e 21% empolgados. A Índia aparece como o país mais confiante (47%). Nos Estados Unidos estão os profissionais mais ansiosos, 39% responderam positivamente para esta questão, enquanto os profissionais da Coreia do Sul são os mais indiferentes (21%).

Negociar bem

Para o diretor do Instituto Brasileiro de Vendas (IBVendas), Mário Rodrigues, é fundamental saber ouvir. Rodrigues explica que o segredo para uma negociação de sucesso é que as partes envolvidas deixem claro quais são suas vontades e interesses.  “A boa negociação é aquela em que os dois lados saem satisfeitos”, diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.