Estadão
Estadão

Brasil inaugura quatro franquias por hora útil, mas ainda vale investir em educação, saúde e beleza

Levantamento da Rizzo Franchise mostra a abertura de 10.631 negócios em 2012 e considera oito horas por dia

ESTADÃO PME,

28 de fevereiro de 2013 | 06h30

O Brasil registrou 10.631 novas unidades de franquias em 2012, o que gera uma média de 886 inaugurações por mês ou quatro negócios por hora útil, levando em consideração oito horas por dia. No total, o ano fechou com 190.568 operações, 5,91% a mais que as 179.937 unidades de 2011. Os dados fazem parte da pesquisa anual da consultoria Rizzo Franchise. Juntas, as novas unidades geraram 102.285 novas vagas.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

"O crescimento das franquias ainda é reflexo da onda de consumo relacionada à forte ascensão de novas classes ao mercado", destaca Marcus Rizzo, da Rizzo Franchise. Só em 2012, as franquias geraram uma receita de R$ 303,6 bilhões, uma alta de 5,64% em comparação com 2011, quando a receita das redes foi de R$ 286 bilhões.

Para 2013, a consultoria prevê um crescimento de 6%, o que equivale a 11 mil instalações. Os locais fora dos grandes centros continuarão a impulsionar o setor motivado pela renda crescente da população do interior e as dificuldades de instalação em grandes centros.

Para quem tem planos de investir em uma franquia, o consultor aponta quatro segmentos em alta: educação e treinamento, saúde e beleza, alimentação e vestuário. Por outro lado, o alerta vai para as livrarias e frozen iogurte. O estudo pontua que o frozen iogurte foi uma onda que se espalhou rapidamente nos últimos dois anos, mas esses negócios têm grande sazonalidade com altos custos de implantação e ticket médio baixo.

Cenário. O mercado conta com 2.579 franqueadoras, sendo que 86,7% têm origem brasileira. Esse número coloca o Brasil no segundo lugar no ranking de franqueadores, só perdendo para a China, com 4.650. Já em número de unidades, o País cai para quinto lugar, atrás de Estados Unidos, China, Coreia do Sul e Japão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.