Nilton Fukuda/AE
Nilton Fukuda/AE

Brasil entra na rota de grandes shows e cria oportunidades de negócios

Além do Rock in Rio, outros quatro grandes eventos já estão programados até abril de 2012 - SWU, Ultra Music Festival, Planeta Terra e Lollapalooza

Lígia Aguilhar, do Estadão PME,

27 de outubro de 2011 | 17h55

O Rock in Rio foi apenas o começo. Até abril de 2012, o Brasil vai sediar mais quatro grandes festivais de música – SWU, Ultra Music Festival, Planeta Terra e Lollapalooza.

 

Juntos, esses eventos ajudarão o mercado de entretenimento a movimentar cerca de R$ 1,5 bilhão em 2011 no País. O Brasil entrou de vez na rota dos shows internacionais e esse cenário – somado à realização da Copa do Mundo em 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016 – tornou o mercado de entretenimento muito atrativo para pequenas e médias empresas.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

“Quem faz o evento são os fornecedores. Onde tem qualquer festival ou show, tem oportunidade de negócio na área de prestação de serviços”, analisa Rodrigo Vessoni, da produtora de eventos R2C. A empresa montou um bar no camarote vip do Rock in Rio deste ano. Em 2010, a R2C organizou ainda um lounge no SWU, além de prestar serviços em camarotes durante o carnaval e eventos esportivos.

Com o aumento da demanda por serviços, o faturamento do empreendimento deve crescer 80%. Mas engana-se quem acha que o mercado aquecido é garantia de sucesso. “Para fazer eventos de grande porte é preciso ter contatos no mercado, referências e preço competitivo”, explica Vessoni. Isso porque as empresas podem ser pequenas, mas a estrutura e o conhecimento necessários para atuar nessa área precisam ser grandes.

Douglas Batista, da Team eventos, por exemplo, vai levar um milhão de latas de cerveja para abastecer os bares do festival SWU. No mercado desde 2006, a companhia trabalhou para os organizadores do festival no ano passado. O bom desempenho garantiu um novo contrato, para 2011, e a empresa já negocia também com a produção do Lollapalooza. “O segredo é identificar uma necessidade dentro do mercado e atendê-la com um trabalho de qualidade”, diz Douglas.

E foi por identificar uma necessidade que Fernando Dória, fundador do site Carona Brasil, também fechou contrato com a organização do SWU. Desde o ano passado é o empresário quem organiza um sistema de caronas para facilitar o acesso do público ao evento, que ocorre este ano em Paulínia, no interior de São Paulo. “Existem oportunidades, mas as pequenas empresas precisam estar dispostas a negociar e flexibilizar bastante os custos.”

Os primeiros contratos de prestação de serviços para grandes festivais começam a ser fechados até um ano antes dos eventos, mas algumas demandas só são atendidas com poucas semanas de antecedência. “Quem tiver interesse precisa nos procurar para ontem”, diz Leonardo Ganem, diretor geral da Geo Eventos, organizadora do Lollapalooza.

José Boralli, presidente da B! Ferraz, que organiza o Planeta Terra, completa: “As pequenas empresas que querem aproveitar oportunidades nesses eventos e na Copa do Mundo devem estar preparadas já, e não se preparando, no gerúndio, porque é o posicionamento delas daqui até a Copa que pode levar à consagração do negócio.” Para Boralli, além da qualidade e do preço competitivo, os pequenos fornecedores precisam se estruturar também para as novas demandas que surgem com o aumento do número de festivais.

“Nós estamos entrando no circuito internacional, mas não somos um País bilíngue. É muito difícil encontrar empresas com profissionais capazes de se comunicar em inglês ou operar um equipamento com instruções em outros idiomas. Quem tiver esse tipo de capacitação certamente vai se destacar”, afirma.

A gerente de sustentabilidade do SWU, Ingrid Francini, também vê espaço no setor de entretenimento para negócios que adotam práticas sustentáveis. Mais do que isso: “Nos Estados Unidos acontecem dezenas de festivais ao mesmo tempo, então, o potencial do Brasil é muito grande e a necessidade de mão de obra especializada só tende a crescer”, acredita.

CALENDÁRIO DE SHOWS:

5/11 - PLANETA TERRA

O festival existe desde 2007 e reúne 15 atrações no parque de diversões Playcenter. Vinte mil pessoas participaram em 2010.

12 a 14/11 - SWU

No ano passado, 165,4 mil pessoas foram ao evento, em Itu, no interior de São Paulo. Este ano são esperadas 210 mil pessoas.

3/12 - ULTRA MUSIC FESTIVAL

O encontro de música eletrônica UMF ocorre no Sambódromo do Anhembi e deve reunir 30 mil pessoas.

7 e 8/04/2012 - LOLLAPALOOZA

O evento será realizado pela primeira vez no Brasil e deve reunir cerca de 60 mil pessoas.

 

:::LEIA TAMBÉM:::

::Esfiha Juventus se prepara para fazer ainda mais sucesso::

::Cinco erros que podem acabar com a sua empresa::

::Oito empresários contam seus maiores erros e acertos::

::Cinco dicas para planejar 2012::

::Nova classe média descobre a compra virtual::

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.