Brasil adota políticas adequadas para conter crescimento, segundo S&P

Ações do País não se concentram apenas na política monetária, diz Standard & Poor's

Márcio Rodrigues, Agência Estado,

13 de julho de 2011 | 18h51

A agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) avalia que o Brasil tem tomado medidas corretas para conter as pressões inflacionárias e a expansão da economia. Em teleconferência, a S&P destacou os esforços que estão sendo feitos pelos países da América Latina para evitar uma alta dos preços e disse que a inflação começa a desacelerar na maior parte deles.

No caso específico do Brasil, a diretora de ratings soberanos da agência, Lisa Schineller, lembra que o País está no meio de um ciclo de aperto monetário e tem se esforçado para evitar uma disparada da inflação. Além disso, a equipe de analistas da S&P destaca que as ações não se concentram apenas na política monetária, mas também contam com o esforço fiscal do governo.

Foi diante deste cenário que, em maio, a Standard & Poor's revisou de "estável" para "positiva" a perspectiva para o rating de crédito soberano de longo prazo em moeda estrangeira do Brasil. O País tem nota de grau de investimento BBB-.

Em relação ao crédito, a S&P projeta crescimento de 15% na carteira total de empréstimos no País. A agência diz que a maioria dos bancos latino-americanos estão bem capitalizados, em situação melhor do que os de outras regiões e continuarão aumentando seus portfólios.

O diretor da S&P, Santiago Carniado, frisou, no entanto, esperar que os países da região continuem aprimorando suas regulações para o sistema financeiro e destacou que há patamares diferentes nesse quesito. O Brasil e o México foram citados como exemplos de países que possuem uma regulação mais avançada. "De qualquer forma, a penetração do crédito na maioria dos países ainda tem espaço para aumentar e segue crescendo. Mas os países estão se esforçando para ter um crescimento controlado e evitar bolhas", afirmou.

No caso do Brasil, Lisa lembrou que as autoridades estão tomando as medidas necessárias para evitar um crescimento excessivo do crédito, buscando um pouso suave e não uma desaceleração brusca.

Questionada sobre a possibilidade levantada pelo Federal Reserve (Fed) de os Estados Unidos terem um terceiro programa de afrouxamento quantitativo, a diretora de ratings soberanos da S&P disse que o fortalecimento da economia norte-americana é positivo para toda a América Latina, sobretudo para México e América Central que não têm o mercado asiático para ajudar a manter a demanda, ao contrário do que ocorre na América do Sul. Ela frisou, porém, que um novo afrouxamento quantitativo será uma grande desafio para as autoridade monetárias da região, que terão de adotar políticas adequadas para minimizar os efeitos da entrada de capital externo e da tendência de valorização de suas moedas.

Tudo o que sabemos sobre:
Economia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.