As irmãs Karen e Karoline (no meio entre modelos) são donas do ateliê Lili Glacê
As irmãs Karen e Karoline (no meio entre modelos) são donas do ateliê Lili Glacê

Bolos especiais ganham espaço: você estaria disposto a pagar R$ 2,5 mil por um item?

Pequenas empresas não sentiram ainda retração no segmento, confira exemplos de sucesso

Gisele Tamamar, Estadão PME,

24 de junho de 2015 | 07h06

Sabe aqueles bolos que dá até dó de comer? Coloridos, divertidos ou sofisticados, os produtos artísticos despertam o interesse tanto de consumidores quanto de profissionais de olho em um segmento impulsionado principalmente pelos reality shows estilo Cake Boss.

::: Saiba tudo sobre :::

Mercado de franquias

O futuro das startups

Grandes empresários

Minha história

Trata-se de um mercado atrativo, mas nada fácil de ingressar. É preciso ter habilidade, por se tratar de um trabalho manual, e muita dedicação para não frustrar o cliente. “É uma área que mexe com o sonho das pessoas. É importante não se preocupar apenas com a estética, mas também com a qualidade do produto e o prazo de validade”, afirma a professora do Senac-SP, Fernanda Suzumura.

Como todo mercado que atrai muitos profissionais, a concorrência é grande e quem pretende entrar nessa área precisa buscar um diferencial. “Esses bolos são uma tendência agora, muitas pessoas vão começar a fazer e o preço tende a cair. Quem se diferenciar vai ficar e muitos vão se perder no meio do caminho”, alerta o presidente da Associação Brasileira dos Confeiteiros e Sorveteiros (Abraces), Angelo Sabatino Perrella, que também é proprietário da Confeitaria Asti.

:: Leia mais ::

Especialistas apostam em aulas para explicar a produção dos itens

Entre os profissionais que se destacam no setor está o cake designer Nelson Pantano. O interesse pelos bolos existe desde os 11 anos, mas ele só ingressou no mercado depois de concluir a faculdade de publicidade, quando abriu o ateliê especializado em bolos personalizados The King Cake. Com uma produção de oito a 16 bolos por semana, o faturamento mensal do empreendimento oscila entre R$ 120 mil e R$ 140 mil.

A crise ainda não chegou ao ateliê de Pantano e o profissional acredita que as pessoas continuarão com os pedidos, embora o valor gasto com o produto possa diminuir. “Para ficarmos imunes a essa situação é preciso buscar uma diferenciação para que ninguém consiga fazer com a qualidade que a gente faz e com o atendimento que temos”, afirma Pantano, que já chegou a fazer um bolo de R$ 25 mil com flores de açúcar que parecerem de verdade.

Em geral, os bolos mais simples custam a partir de R$ 1,5 mil e os de casamento a partir de R$ 2,5 mil. “Nenhum é igual ao outro. Não é um catálogo. Cada um é desenhado para cada cliente e para cada festa”, afirma o cake designer.

Cores. Já as irmãs Karoline e Karen Scorzato estão no comando do ateliê Lili Glacê. A primeira é formada em gastronomia e a segunda em artes. “Começamos a trabalhar juntas e a criar coisas novas e diferentes. Na época era tudo branco e começamos a usar o aerógrafo para pintar. Acredito que nosso diferencial é a parte artística.

Todo mundo fala que nosso bolo tem identidade própria e mostra nossa parte criativa da pintura”, afirma Karoline.

Nos primeiros três anos, o trabalho era feito em casa e há quatro elas mudaram para um espaço em Moema. As irmãs também se dedicam aos cursos e notaram maior interesse nas aulas. De uma média de sete aulas por mês há três anos, hoje elas ensinam para quatro turmas por semana. Os cursos particulares custam a partir de R$ 1 mil.

Para diversificar o negócio, as sócias preparam o lançamento de uma linha de produtos, como pratos de porcelana, com ilustrações Lili Glacê, e ainda investem na produção de vídeos para o YouTube, atualizados toda semana.

:: CUIDADOS ::

ENTREGA

O trabalho mexe com o sonho das pessoas. Geralmente, os bolos são encomendados para datas especiais, como casamentos e aniversários. Por isso, o profissional deve ter todo o cuidado para entregar o que prometeu e até superar as expectativas.

QUALIDADE

De acordo com Fernanda Suzumura, do Senac-SP, pelas características da pasta americana, as pessoas podem achar que o produto tem uma validade maior, mas esse é um ponto que o profissional deve prestar muita atenção. O que não pode acontecer é preocupar-se apenas com o lado estético e esquecer do sabor e qualidade, por exemplo.

PROFISSIONAL

O aprendizado na área é altamente perecível. O profissional precisa sempre buscar a atualização já que o mercado segue muito o que está na moda. Atualmente, por exemplo, o bolo em formato do personagem Olaf, do filme ‘Frozen’, é muito procurado.

MARKETING

É preciso se preocupar em divulgar seu trabalho. Um site com fotos dos bolos ajuda a mostrar seu diferencial. O atendimento também deve ser uma das preocupações, desde o momento de receber o pedido até a entrega.

Tudo o que sabemos sobre:
docesbolosalimentaçãoestadão pme

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.