Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Bisneto do fundador da Caloi retoma seu espaço

Tito Caloi fundou a Tito Bikes, uma fábrica de dimensões menores em comparação com a gigante que pertenceu a sua família

Roberta Cardoso, Estadão PME,

27 de março de 2013 | 06h23

 O encantamento de uma criança diante de sua primeira bicicleta marca uma fase da vida. No caso de Bruno Antonio Caloi Jr., a relação emocional com as bikes está gravada em toda a sua existência. Bisneto do fundador da Caloi, o empresário ajudou o pai a transformar a empresa familiar em uma das 10 maiores fabricantes do produto no mundo em tempos áureos, mas tomou outro rumo após a venda da companhia, que ocorreu em 1999.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Caloi voltou ao setor em 2009, quando fundou a Tito Bikes, uma fábrica de dimensões bem menores em comparação com a gigante que pertenceu a sua família. “Vários fatores contribuíram para a venda da empresa.

Naquela época, a bicicleta tinha virado um produto banal, eram todas iguais. Em 2008 percebi que o mercado estava mudando e vi o potencial dele”, diz.

Com respaldo de quem tem uma vida profissional inteira dedicada ao assunto, endossada por 20 anos de trabalho na Caloi e em outras empresas do setor na Europa e Estados Unidos, Tito adotou em seu retorno a estratégia que fez a empresa familiar obter destaque: inovação.

“Nossa inspiração é o mercado de computadores. Todos eram iguais, independentemente da marca, até a chegada da Apple. É nisso que penso quando estamos desenvolvendo um novo produto”, explica.

Bom estrategista, ele firmou parceria com grandes clubes de futebol de São Paulo e Rio de Janeiro para fabricar modelos licenciados. “Procuramos ter elementos que agreguem valor ao produto. O consumidor de hoje é mais exigente. O design, principalmente, tem que encantar”, explica. Da concepção à fabricação, tudo na empresa é feito no Brasil. “É mais fácil comprar componentes fora do País, mas se você quer entrar no mercado, tem que se diferenciar de alguma forma”, analisa.

Na empresa de Tito, a preocupação com cada detalhe do processo fica evidente. “Quando a gente estava fazendo a My Bike, um modelo infantil, pensamos nas necessidades da criança não só com a segurança, mas também com a magia e a parte lúdica e por isso incluímos um porta-boneca. O lançamento chegou a atrasar 6 meses por conta da dificuldade em encontrar pneus brancos”, conta o empresário.

::: LEIA TAMBÉM::

:: Mercado de bicicletas chega a R$ 2 bilhões e pequenos negócios aproveitam ::

:: Empresas investem em serviços de entregas feitas por ciclistas ::

:: Capacete funciona como caixa preta para ciclista ::

:: Triciclo elétrico chega a 32 km/h ::

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.