Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Aulas de MBA ajudam a desenvolver os negócios

Cursos capacitam profissional para abrir sua própria empresa e promovem a troca de experiências entre participantes e professores

GISELE TAMAMAR, ESTADÃO PME,

29 de junho de 2013 | 13h45

O empreendedorismo chegou ao MBA, por isso, estratégias de mercado, finanças e gestão de marketing agora fazem parte da grade curricular dos cursos para ajudar na capacitação dos alunos. “Não existe ensinar a ser empreendedor. Existe desenvolver o espírito de empreendedorismo e mostrar as técnicas de desenvolvimento de negócios”, afirma o coordenador do curso da Fundação Getúlio Vargas (FGV) do Rio de Janeiro, Marcus Quintella.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Casos de empreendedores que fizeram sucesso sem ter formação são raros, destaca Quintella. “Eles são exceções. Não é a regra do jogo. Noventa e cinco por cento das pessoas precisam estudar, fazer pesquisas, se planejar”, alerta.

“Existem pessoas com características pouco empreendedoras, que não querem nada que traga surpresa. Para esse tipo de pessoa, o curso não é indicado. A motivação é de cada um e o objetivo é conseguir ordenar essa vontade de criar novas coisas, de abrir uma empresa”, afirma o coordenador do curso da Universidade Anhembi Morumbi, Dennis Vincent Reade.

Este será o primeiro ano do curso na Anhembi Morumbi. “O mercado apresenta mudanças cada vez mais rápidas. E com essas mudanças surgem oportunidades para empreendedores abrirem novos negócios. Boas ideias tendem a prosperar independentemente se o mercado está recessivo ou em crescimento”, completa Reade. Um dos diferencias do curso da Anhembi será uma disciplina prática realizada em Brotas para um curso de liderança. “Um bom líder também precisa saber ser liderado”, diz Reade.

Os cursos não são voltados apenas para quem pretende abrir seu próprio negócio. Os coordenadores destacam que o aprendizado também atrai pessoas de média gerência dos departamentos de desenvolvimento de novo negócios das empresas. “São profissionais das áreas de empreendedorismo interno. Eles vão estudar as oportunidades para lançar novos produtos, expandir mercado, diversificar”, diz Quintella.

Experiência. João Braga Leal, de 29 anos, cursou o MBA em Empreendedorismo da FGV em 2009. Como ele tinha acabado de formar-se em administração, muito do conteúdo apresentado havia sido visto na faculdade. “Se o profissional já fez uma graduação em administração, economia ou engenharia, a teoria não vai agregar muito. Mas em outros casos, acredito que o curso faça mais sentido”, afirma o empreendedor.

Do lado positivo, Leal aponta a possibilidade de ampliar a rede de contatos com alunos e professores. O empresário é fundador do Igluu, um site que atua como facilitador do processo da decisão do que comer.

O site ajuda o usuário a montar o cardápio da semana, gera uma lista de compras para fazer os pratos e ainda faz a conexão com chefs que podem vender seus serviços. Para colocar o projeto no ar, Leal contou com a ajuda de R$ 20 mil da aceleradora 21212 e de outros R$ 200 mil de dois investidores. Hoje, o site Iglu tem 29 mil usuários cadastrados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.