As pessoas estão sorrindo menos (como ser a Coca-Cola)

As pessoas estão sorrindo menos (como ser a Coca-Cola)

As pessoas estão sorrindo menos. Percebo que somos uma apanhado de gerações que cada vez mais se afoga nas entranhas da modernidade. Antigamente, só tínhamos a conta de telefone para pagar e nos preocupar. Tv a cabo, celular, telefone fixo, internet e agora até biblioteca de músicas online, se quiser, pode pagar. Senhas, acessos, conexões, nuvem, check-ins, selfies e muitas outras situações que há quinze anos não existiam. Ou talvez nem sabíamos da existência.

LEO SPIGARIOL ESCREVE TODA QUARTA,

20 de agosto de 2014 | 12h04

“URGENTE. O avião caiu.”

Praticamente acompanhamos o desastre da última semana como se estivéssemos no mesmo quarteirão. Ali ao lado. É o tal do Big brother. Tem coisas que valem a pena saber. Outras, nem tanto. Talvez devêssemos presenciar menos notícias do “mundo cão”. Não digo ignorá-lo. Acredito que a exposição exacerbada a certos estímulos acabam por nos tornar imunes a eles, indiferentes. Já ouvi explicação sobre num resumo sobre Freud e afins (vivam os resumos!).

Saber da existência do “mundo cão” é uma obrigação. Vivenciá-lo com prazer e necessidade, uma doença. Parece que notícia ruim vem até nós. E as boas? Ao que parece, tudo que é bom e prazeroso tem a mesma polaridade nossa, por isso se afasta de nós. Quando sentimos aquela vontade irresistível de degustar o tal do vinho de uvas, tal de safra tal e coisa e tal? Onde encontrá-lo? E, quando queremos aquele molho de chipotle e goiaba, o que fazemos?

Quando sua empresa é aquela Coca-Cola (aquela mesma), seu produto está em todo lugar (inclusive os mais inóspitos; não me admira chegarmos hoje á Lua e encontrarmos uma garrafinha nos esperando, gelada). O desafio de todo empreendedor: fazer seu produto se manter na boca do seu consumidor (de um modo prazeroso). E o molho de chipotle com goiaba De Cabrón? Sim, não somos, por ora, uma Coca-Cola do ponto de vista de distribuição. E nossos clientes pedem e pedem mais. Então a tecnologia entra. Como?

Você pensa: como informar meu consumidor sobre os pontos de venda do meu produto, up to date, online? Isso deve existir? É caríssimo? Você responde sim para ambas as perguntas e se conforma? Pronto: assunto encerrado e você jamais será a Coca-Cola e, muito menos, “aquela" Coca-Cola.

Nós resolvemos responder com indignação natural de quem não se conforma como as coisas foram-nos impostas. E fomos à luta. Fuçamos que fuçamos, porque hoje em dia você tem de ir atrás. Fuçamos tanto que conseguimos criar uma parceria com uma empresa de localização via satélite, a Smart Geo, e, juntos, desenvolvemos um sistema para mapear De Cabrón pelo país afora. Parece coisa de Bill Gates, mas não é. A tecnologia, hoje, está a nossa disposição. Crescemos com a ideia de que as grandes ideias só surgiam com os grandes idealistas. Pois bem, hoje grandes ideias estão disponíveis para os pequenos-grandes idealistas. Basta buscarmos e não apenas nos contentarmos com as notícias ruins e com as adversidades.

E a versão beta do nosso big brother acaba de ir para o ar no nosso site. E, na segunda etapa, terá atualização em tempo real. Em breve, nossa ferramenta estará 100% pronta para dedurar nossos molhos para nossos empolgados consumidores. 

Nota do editor: por conta de problemas no Blog do Empreendedor, estamos publicando o post em matéria para não privar o leitor da sua leitura cotidiana.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.