Fabio Anjos gostou tanto da novidade que criou um curso para ensinar sobre a moeda
Fabio Anjos gostou tanto da novidade que criou um curso para ensinar sobre a moeda

Aracaju é capital da moeda virtual no País

Cidade lidera entre as que aceitam a transação e isso tem muito a ver com um empresário entusiasta da tecnologia

Renato Jakitas, Estadão PME,

29 de julho de 2015 | 07h03

Matéria atualizada em 30/07, às 10h15

A cidade de Aracaju (SE) lidera entre as capitais brasileiras com o maior número de pontos de venda cadastrados para recebimento via bitcoin. São ao menos 50 empreendimentos de pequeno e médio portes, desde comércio tradicional a barbearia, o dobro do volume de empresas registradas em São Paulo e sete vezes mais que no Rio de Janeiro.

::: Saiba tudo sobre :::

Mercado de franquias

O futuro das startups

Grandes empresários

Minha história

Por trás desse desempenho difícil de se prever, está o trabalho do engenheiro de petróleo Fabio Anjos. Ele descobriu a economia das moedas virtuais no ano passado, durante um ano sabático, e decidiu investir na área no começo de 2015. Montou uma startup na capital sergipana e começou a rodar, até para testar a aceitação do produto, um curso rápido sobre bitcoins, voltado para pessoas físicas e donos de empresas locais. Anjos acabou, dessa forma, se tornando uma espécie de evangelizador bitcoin do Nordeste. 

“Nossa primeira turma de alunos foi no começo de março e, em cinco semanas, já tínhamos seis turmas formadas. A aceitação foi rápida”, conta. Ele acaba de lançar uma versão online do treinamento para alcançar outras praças, como o Sudeste e o Sul do País, no site de sua empresa, o Rexbit.com.br. 

“Eu falo para as empresas que a adaptação é imediata. A única coisa que eles precisam fazer é baixar um aplicativo e sinalizarem para o consumidor que já está trabalhando com a moeda”, afirma Anjos, que distribui adesivos para os comerciantes locais comunicando que eles aceitam bitcoins.

Como parte da propaganda do seu serviço, o empreendedor colocou à venda seu próprio carro, um Camaro, avaliado em R$ 165 mil. Ele apenas aceita a moeda virtual como pagamento. “Eu coloquei adesivos no carro e comecei a rodar pela cidade. Não encontrei compradores, mas chamou bastante atenção para a moeda”, afirma. Um resultado desse trabalho é justamente o número de negócios que já transacionam na moeda virtual, de salão de cabeleireiro a oficinas de manutenção de micros.

:: Leia também ::

Bitcoin ainda não ajuda o empresário brasileiro

SP tem 25 negócios aptos a receber moeda

Quem atua no mercado financeiro consegue lucrar com transações

“Eu aderi ao sistema tem uns cinco meses e já fiz uns 20, 22 negócios com a moeda virtual”, afirma o barbeiro Danilo Santos Oliveira. Ele conta que o perfil de clientes que usam o modelo é muito específico ainda, basicamente gente do mercado de tecnologia da cidade. “Eu encaro como um investimento, já que está valorizando a moeda. Eu deixo na carteira digital uma parte como se fosse uma poupança”, afirma Oliveira.

Essa perspectiva de ‘poupança’ é também o que motiva o sergipano Talvanio Ferreira, que mantém na cidade uma oficina de manutenção de computadores e de serviço de automação. Há cerca de seis meses ele baixou o aplicativo de bitcoin para seu aparelho celular e, nesse tempo, conta que já foi procurado algumas vezes por interessados. “Já fiz sete operações. Como é uma moeda virtual, eu posso fazer o serviço por R$ 100 e, depois de um tempo, ter um rendimento de 20%, 30%. O segredo é ficar atento à cotação da moeda para não perder dinheiro”, observa o empresário.

“O trabalho é lento. Esse é um mercado que ainda está em formação. Vai demorar um tempo até que o número de usuários seja representativo”, destaca, cheio de esperança, Fabio Anjos, da Rexbit. 


Mais conteúdo sobre:
Bitcoinestadão pme

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.