Divulgação
Divulgação

Apresentadora Oprah Winfrey lança seu primeiro jogo para celular

Jogo tem acesso gratuito e pretende ser uma mistura de dois sucessos dos aparelhos mobile, o Candy Crush e o Wheel of Fortune

Estadão PME

15 de novembro de 2016 | 06h00

É possível viver 'o melhor da vida' e, ainda, ser ligeiramente viciado em um jogo para celular. Pelo menos é o que defende a apresentadora de TV e empresária norte-americana Oprah Winfrey, que acaba de lançar o Bold Moves, primeiro jogo para celular do seu conglomerado de empresas. 

O jogo tem acesso gratuito e pretende ser uma mistura de dois sucessos dos aparelhos mobile, o Candy Crush e o Wheel of Fortune. No Bold Moves, os jogadores devem resolver quebra-cabeças que, quando solucionados, preenchem letras que completam 'mantras' utilizados pela apresentadora. 'Vidas' adicionais ou ajudas extras podem custar ao jogador entre US$ 0,99 e US$ 19,99.

De olho no público de Oprah, a Oprah Winfrey Network (OWN), canal televisivo da apresentadora, está otimista. "Começamos a olhar para o que o nosso target, que é composto por mulheres entre 45 e 54 anos, estavam fazendo com seu tempo livre", diz Erik Logan, presidente da OWN. "Descobrimos que uma porcentagem enorme joga esses jogos."

Apesar da ampliação dos serviços de streaming e a evidente perda de público da televisão tradicional, a OWN não tem motivos para pessimismo. Foram dois novos programas lançados em setembro e a rede testemunhou um aumento de 12% nos assinantes em 2015 enquanto sua principal concorrente, a Oxygen, perdeu 36%.

Agora, a rede mira na expansão digital. Depois de transformar o Oprah.com em uma audaciosa plataforma de e-learning com aulas de meditações em áudio, a agência interativa digital Red começou a trabalhar no desenvolvimento do Bold Moves. No cerne, a OWN lança mão do Bold Moves como uma maneira de aprender mais sobre o espaço dos games, e para onde levar a empresa em seguida. "Não sabemos se essa é uma plataforma viável para nós em cinco anos", diz Logan. "É como a televisão: você coloca no ar, e o público vai assistir, ou não", conclui.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.