Sergio Castro/Estadão
Sergio Castro/Estadão

Após táxis, motoboys ganham aplicativo

Cliente descreverá o pedido e escolherá o melhor orçamento, negociando diretamente com o profissional

Julia Affonso, especial para o Estado,

14 de outubro de 2013 | 06h40

Depois dos taxistas, chegou a vez dos motoboys. A partir do dia 14 de outubro, os motoboys que trabalham na região metropolitana de São Paulo terão um novo meio de atrais clientes. O recém-criado aplicativo VaiMoto vai conectar os serviços dos motoboys com usuários pela tela do celular, tablets e computadores.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Quem quiser contratar o serviço precisará baixar o aplicativo e acionar o motoboy. O cliente descreverá o pedido e escolherá o melhor orçamento, negociando diretamente com o profissional. O foco da VaiMoto são as pessoas físicas e as micro, pequenas e médias empresas.

A ferramenta custará R$ 1,99, por serviço prestado, ao motoboy. Até o momento, cerca de mil profissionais já se inscreveram pelo site (www.vaimoto.com.br). O cadastro é grátis. A expectativa da empresa é de chegar a mais de 40 mil motoboys cadastrados nos próximos seis meses e a previsão de um faturamento é de R$ 3,5 milhões no primeiro ano de atividade.

Poderão se cadastrar, motoboys que estiverem com a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) regularizada e que tiverem encaminhado os documentos requisitados no cadastro, como comprovante de endereço. Assim que o Condumoto (documento criado pela Prefeitura de São Paulo que permite aos motoqueiros trabalhar com motofrete) entrar em vigor, a VaiMoto priorizará os motoboys que estiverem adaptados às regras.

Por enquanto, o aplicativo será compatível, para os motoboys, no sistema Android, acima da versão 2.3. Já os clientes poderão acessar a ferramenta pela web. A expectativa é de que até o fim do ano, a ferramenta fique disponível para iOS e Android, para ambos os lados.

A VaiMoto, do grupo de startups da DCAN+M, recebeu um investimento de R$ 2 milhões, para a concepção e desenvolvimento do app e contratação de pessoal, entre outros. Está nos planos da empresa expandir o serviço para todo o Estado nos próximos seis meses, chegando também ao Rio de Janeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.