Reprodução
Reprodução

Aplicativo usa tecnologia antiterrorismo para facilitar compra de vinhos

Delectable adaptou sistema de segurança nacional em prol da paixão pela bebida

Estadão PME,

04 de julho de 2014 | 06h50

A tecnologia utilizada pelos Estados Unidos para combater o terrorismo agora está disponível para pesquisar e comprar vinhos. Ao menos essa é a proposta do empresário Alex Fishman, que abandonou um emprego na área de defesa e segurança para iniciar um negócio próprio e, para isso, criou o aplicativo Delectable.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O norte-americano trabalhava para a Palantir, companhia especializada no levantamento e compilação de dados para construir mapas detalhados da interação entre empresas e pessoas. O serviço era contratado pelo governo dos Estados Unidos, em especial a CIA e o FBI, para localizar e acompanhar pessoas. Ao deixar a empresa, Fishman fez uso da experiência adquirida para unir empresas e consumidores de uma forma distinta:e por meio da paixão pelos vinhos.

O aplicativo permite aos usuários uma série de interações. A primeira delas é conhecer um pouco mais sobre o vinho. Basta tirar uma fotografia do rótulo para ter acesso a detalhes como o produtor e o nome da bebida. Além disso, o sistema comercializa as garrafas do produto online. Basta fazer um cadastro e indicar o endereço de entrega das garrafas.

Também é possível se engajar em comunidades online para avaliar rótulos e ouvir a opinião de enólogos e sommeliers especializados em vinhos.

O aplicativo tem se popularizado e, de acordo com Fishman, já possui mais de um milhão de usuários e dois milhões de vinhos cadastrados. Para gerar receita, o empresário conta somente com uma taxa sobre a venda das bebidas. Fishman conta que sua estratégia, por definição, é ficar sempre ao lado dos consumidores e não dar destaque a produtos como forma de faturar por meio de publicidades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.