Divulgação
Divulgação

Aplicativo Uber é banido em Frankfurt

Serviço de compartilhamento de caronas não opera segundo as leis alemãs, afirma juiz na sentença

Estadão PME,

02 de setembro de 2014 | 15h00

 Menos de um mês depois de receber a notícia de que poderia voltar a operar na Alemanha, o Uber, aplicativo que junta passageiros a motoristas dispostos a dar caronas pagas sofre um novo revés no país. A corte de Frankfurt acaba de decidir que o aplicativo não opera segundo a Lei de transporte de passageiros alemã. Para desincentivar o uso, a corte estabeleceu uma multa de US$ 328 mil por violação.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Segundo a decisão da corte, o Uber fere a lei alemã porque os motoristas não são controlados, regulados ou segurados, além de não contribuir com nenhum tipo de imposto sobre o serviço para o país.

A empresa, entretanto, já avisou que não pretende deixar de funcionar em solo alemão. Segundo a Uber, a Alemanha é um dos países com mais rápido crescimento na Europa, e portanto de importância crucial para os planos da empresa californiana.

A multa certamente é salgada, mas os donos do aplicativo, que recentemente recebeu mais de US$ 1 bilhão de investidores como o Google e o banco Goldman Sachs, mostram também contar com bolsos fundos para a briga com as autoridades alemãs.

Como lembra o artigo da entrepreneur, esta é apenas um capítulo da antiga batalha de inovação contra regulação. Não se sabe quem sairá ganhador. ". “Nós acreditamos que a inovação e a competição é boa para todos, passageiros e motoristas, todo mundo ganha. Não se pode colocar um freio na inovação", escreveu o Uber em um comunicado.

No Brasil, o Uber ainda está engatinhando. Em junho, chegou discretamente à São Paulo depois de um período de testes no Rio de Janeiro, onde já gerou protestos de taxistas. A modelo Alessandra Ambrósio foi a primeira a utilizar oficialmente o aplicativo, em São Paulo, por ocasião da festa oferecida pelo príncipe Harry no Consulado Britânico de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.