Reprodução
Reprodução

Aplicativo tira a foto apenas quando todos estão sorrindo e com os olhos abertos

Confira mais histórias de empreendedores que estão ganhando espaço no segmento

Estadão PME,

04 de novembro de 2013 | 16h37

Estudante do Instituto Politécnico da Universidade de Nova York, John Meyer desenvolveu um aplicativo para iPhone e iPad que promete facilitar o usuário a 'tirar' a foto perfeita, no sentido de todos os fotografados estarem sorrindo e com os olhos abertos. Desde que foi lançado, há menos de um mês, foram registrados cerca de 50 mil downloads em 17 países.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + :: 

Segundo o site da Fast Company, o criador do Perfect Shot, como é chamado o app, irá continuar a desenvolver o produto, incluindo novas ferramentas, como comando de voz, o que, segundo ele, facilitará o uso do item por pessoas com deficiência visual.

O site do Washington Square News informa que Meyer não é marinheiro de primeira viagem no ramo de aplicativos. O desenvolvedor começou essa atividade em 2008. A empresa dele, a TapMedia, elaborou também um aplicativo de lanterna que pode ser usado como 'flash' na câmera do iPhone e um aplicativo que integra um vídeo subaquático protetor de tela com música e informações sobre as espécies de animais que ficam 'nadando' no visor.

Oportunidades. Os aplicativos não precisam ser apenas voltados a consumidores em geral, podem, sim, ser criados para clientes do mercado corporativo e do varejo, por exemplo. Para o fundador da Anjos do Brasil, Cassio Spina, o segmento de soluções para as empresas pode ser o foco dos empreendedores iniciantes.

"Não existem muitas aplicações integradas com sistemas corporativos. A vantagem é que em qualquer local, em qualquer momento, é possível ter acesso a informação, mas é preciso pensar em um acesso prático. Esse é um caminho interessante que poucas pessoas olham", disse.

Recomendação para quem pretende ter clientes corporativos é investigar as necessidades que precisam ser melhoradas e entrar em contato com o mercado em potencial. Segundo Spina, mais importante que a ideia é a oportunidade, e por isso o empreendedor deve começar pelo problema, encontrar alguma coisa para resolver ou melhorar.

Quem está fazendo muito bem essa lição de casa é a Taqtile. Um dos focos atuais da empresa é o varejo, dentro e fora do Brasil. "Nesse ano, vamos atacar forte o varejo tanto aqui no Brasil como nos Estados Unidos", revela Danilo Toledo, um dos seis sócios que atualmente cuidam do negócio.

A empresa atende grandes marcas varejistas no Brasil e fora dele. Exemplos de produtos voltados a essa área são aplicativos que têm o objetivo de fidelizar e engajar o consumidor e trazê-lo para a loja com mais frequência. "Temos um case nos Estados Unidos de um aplicativo que tem 150 mil usuários e todo mês, pelo menos, metade deles vão para dentro da loja por conta de promoções e campanhas que a gente lança através do mobile", conta Toledo.

A empresa, conta o empresário, também está criando soluções para mapear melhor o perfil do consumidor para o varejista "conseguir agir de maneira mais personalizada com esse público e também entender que ações estão dando resultado e quais não estão".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.