Reprodução
Reprodução

Aplicativo recompensa estudantes por ignorar o iPhone durante a aula

Pocket Points premia aqueles que resistem em checar o smartphone com descontos no comércio local

Estadão PME,

04 de março de 2015 | 07h05

Quem possui um smartphones conta com acesso à internet na ponta dos dedos em todos os momentos, o que abriu um mundo de possibilidades desconhecidas para gerações anteriores. Infelizmente, isso também significa que as gerações atuais estão mais dispersas do que nunca.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Como resultado dessa conectividade constante, vários aplicativos acionam os proprietários em momentos inadequados e estes, por sua vez, não resistem e cedem à nova informação instantânea que está chegando. O aplicativo Pocket Points agora remunera estudantes que conseguem resistir à verificação de seus telefones durante aulas — e os recompensa com descontos em lojas locais.

Aqueles estudantes bem-intencionados podem baixar o aplicativo em seu iPhone de forma gratuita. No início da aula, eles simplesmente abrem aplicativo e bloqueiam o telefone. Quanto mais o telefone permanece intocado, mais pontos ganham — a cada 20 minutos um ponto é contabilizado e as recompensas custam entre dez e quinze pontos.

Os alunos, então, convertem seus pontos em cupons e resgatam em lojas locais. As empresas que se inscreveram para o programa podem oferecer alguma coisa, como de um café grátis ou descontos de 10% em roupas, além de criar suas próprias ofertas.

A ideia do Pocket Points é fomentar a lealdade dos consumidores a empresas pequenas locais, além de motivar alunos a prestar atenção às aulas. O aplicativo foi desenvolvido na Penn State and California State University, Chico, e está disponível nessas cidades. A equipe idealizadora planeja expandi-lo em breve em todos demais Estados.

Tudo o que sabemos sobre:
iPhoneaplicativodispersãoaula

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.