Divulgação
Divulgação

Aplicativo chileno escolhe a planta certa para colocar na mesa da sala

Presente em 62 países, Plantsss traz ainda 'glossário' sobre plantas baseado em geolocalização

Paulo Palma Beraldo, especial para o Estado

03 de novembro de 2016 | 15h27

Descobrir qual é a planta mais recomendada para uma região e qual espécie pode ser usada para decorar uma casa. Essas são duas das funções do aplicativo Plantsss, criado em Santiago, Chile. O aplicativo, que concorreu com 1.407 projetos de 25 países na categoria Biodiversidade e Flora, venceu neste ano o Prêmio Latinoamérica Verde (PLV). 

O concurso com oito categorias teve jurados da ONU e de organizações como WWF e o Banco de Desenvolvimento da América Latina. O Brasil contou com representantes, mas nenhum empreendedor local venceu. O aplicativo Plantsss funciona como um “radar ecológico botânico” que, mediante a geolocalização do usuário, apresenta uma ficha técnica com as funções que as plantas apresentam: medicinais, alimentares, aromáticas, além de dados sobre altura, diâmetro, necessidade de luz e condições climáticas adequadas ao desenvolvimento.   

A ideia nasceu depois que o paisagista chileno Maximiliano Delporte percebeu que a maioria de seus clientes pedia dicas de decoração com plantas e que muitas questões se repetiam. Ele viveu na Espanha e na Polônia e diz que, até lá, as dúvidas eram semelhantes. De acordo com o advogado Santiago Lyon, co-fundador do Plantsss, esse tipo de informação geralmente está em livros, mas não era capaz de dar conta da demanda. “É um assunto antropológico que transcende fronteiras e culturas, relevante nos cinco continentes", diz Santiago Lyon, dizendo que o aplicativo já tem 750 mil downloads. 

O orçamento já ultrapassou os US$ 100 mil dólares. "Já conseguimos acordos que valorizam e posicionam Plantsss muito bem. Estamos vinculados a países tão distintos como Equador, Inglaterra, Escócia e Cuba", diz. 

Renda. Santiago comenta que o Plantsss tem vários modelos de negócio. Um deles é o sistema de publicidade que conecta os usuários às plantas adequadas às suas preferências no aplicativo. "Possuímos contrato com uma rede de varejo, a Sodimac, em seis países da América Latina, incluindo o Brasil". 

Em segundo, diz, o aplicativo conecta os usuários com viveiros nos quais seja possível encontrar as plantas de seu interesse. Em terceiro, oferece a empresas privadas a possibilidade de associar seus produtos e serviços ao sistema de bônus. "É como um 'green coin', ou bilhete verde virtual, em que o consumidor pode trocar em um viveiro credenciado e receber uma planta", explica. 

Além disso, o Plantsss tem recebido solicitações de cidades, parques e instituições que desejam publicar informações de seus atrativos turísticos pelo aplicativo. 

Brasil. Com o objetivo de continuar criando laços com centros de pesquisa, universidades, ministérios e organismos que queiram utilizam a plataforma como mecanismo de difusão de informação botânica, o Brasil é um dos próximos alvos do aplicativo. 

"O País apresenta grandes oportunidades por seu enorme patrimônio botânico que se entrelaça com o turístico, medicinal, histórico e ancestral", afirma. Para Lyon, a ideia é otimizar cada vez mais os conteúdos e torná-los mais úteis aos usuários. Para isso, está prevista uma nova atualização ainda em dezembro. 

Funcionamento. Assim que entra no aplicativo, o usuário coloca sua localização e opta pelo tipo de planta: árvore, arbusto, terapêuticas, aquáticas, entre outras categorias. Depois, deve escolher a opção de flores, frutos e folhagem. As informações geram uma lista com as espécies recomendadas. Na área de pesquisas, é só abrir o mapa e ver os locais marcados com viveiros. Na América Latina, são cerca de 1.500 estabelecimentos cadastrados. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.